10/01/2018 às 10h10 - Artigos

EDITORIAL: Balança superavitária

Dentre as importações que também impulsionaram estes números mais otimistas estão os combustíveis e lubrificantes

Por: JornaldaCidade.Net

Com resultado jamais visto antes no Brasil, as exportações revelaram um superávit de US$ 67 bilhões com relação ao resultado das importações, mesmo diante da inexpressividade do comércio exterior em 2017. Para confirmar o resultado recorde da balança, uma divulgação realizada pelo Ministério da Indústria (Mdic) na última terça-feira, 2, mostrou que as exportações no país somaram US$ 217,7 bilhões no ano passado, enquanto as importações obtiveram um resultado de US$ 105,7 bilhões, no mesmo ano.

Dentre as importações que também impulsionaram estes números mais otimistas estão os combustíveis e lubrificantes, que apresentaram um crescimento de 42,8%, além dos bens intermediários, que equivalem aos materiais utilizados para a elaboração de outros produtos, com elevação de 11,2% e as importações de bens de consumo, que subiram 7,9%. Do contrário, as importações de bens de capital, referentes a máquinas e equipamentos, apresentaram uma queda de 11,4% com relação aos resultados obtidos em 2016.

Com destaque em todas as categorias, a realidade dos bens e serviços exportados do Brasil para outros países foi satisfatória em 2017, pois a exportação de produtos básicos, semifaturados e manufaturados, tiveram uma elevação de 28,7%, 13,3% e 9,4%, respectivamente. De acordo com o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Abrão Neto, em declaração feita para a Folha de São Paulo, o resultado do superávit em 2018 tende a ser menor, pois a expectativa é que a retomada da economia provoque um crescimento focado nas importações.

Mesmo diante do saldo positivo, comparando-se aos dados de 2015 e 2016, as transações com o comércio exterior não se assemelharam aos níveis que foram apresentados antes da crise. Para o presidente da Federação das Indústrias de Sergipe, Eduardo Prado de Oliveira, os resultados atuais são decorrentes da retomada do crescimento econômico do país, mas ainda há muito o que melhorar.

“Embora a economia brasileira ainda esteja penando, os dados que foram apresentados nos deixam mais otimistas com relação ao ano que se inicia. Uma saída para o aumento, tanto das importações, quanto das exportações, é justamente a desburocratização do comércio exterior. Eliminando o obstáculo promovido pela burocracia e simplificando as normas, é possível facilitar a atividade das empresas brasileiras e promover o crescimento da economia”, afirma o presidente.

Comentários

comments powered by Disqus