06/04/2018 às 12h07 - Artigos

O tiro pela culatra do comandante do Exército

Chico Alencar é professor e deputado federal (Psol-RJ)

Por: JornaldaCidade.Net

Na noite da última terça feira (03), às vésperas do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiu pela não concessão de habeas corpus preventivo para o ex-presidente Lula, o comandante do Exército, Eduardo Villas Boas, publicizou comentários em “repúdio à impunidade”. O militar sugeriu veladamente que o Exército poderia agir a depender do resultado do julgamento, agindo como indutor de violência entre os brasileiros, incentivando os mais desequilibrados a se insurgir contra a Constituição.

Anteriormente, o general da reserva Luís Gonzaga Schroeder Lessa já havia incentivado a violência. O ex-oficial afirmou que “vai ter derramamento de sangue, infelizmente, é isso que a gente receia.” Disse ainda que essa crise “vai ser resolvida a bala”.

Até os mais corruptos, no discurso, são contra a impunidade. Um general da ativa se manifestar num momento como esse para falar o óbvio e, de maneira indireta, dar um “toque” no Supremo Tribunal Federal para avisar – inclusive aos seus de farda – que não está alheio a essas demandas é absolutamente negativo e reprovável. E, como bem lembrou a economista Laura Carvalho em seu twitter, contrário ao próprio Regime Disciplinar do Exército.

Ninguém é contra a paz, que não existe sem justiça social e nós todos defendemos a democracia. Bandos de extrema-direita – incentivados por figuras do mundo político e agora das forças armadas – ameaçam a democracia brasileira. Não abriremos mão dos direitos democráticos e da necessidade premente da união de todos os setores progressistas e democráticos em uma frente contra a violência, o fascismo e a escalada autoritária.

O Brasil está sobressaltado com o assassinato da nossa vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, o que desmonta a ideia de que a intervenção militar no Rio de Janeiro teria vindo para coibir a violência. Soma-se a isso o atentado a bala contra a comitiva de Lula, no Sul do país. O quadro é de uma escalada de violência política inédita desde a redemocratização. As declarações do general Villas Boas só aprofundam esse contexto.

Felizmente, também temos militares pregando o óbvio numa democracia, o respeito à Constituição. Um dia após a manifestação do comandante do Exército, Nivaldo Rossato, chefe da Aeronáutica, disse em boletim interno que “militares não devem colocar convicções próprias acima das instituições”. Lembrou ainda que militares da ativa e da reserva “devem seguir fielmente a Constituição”.

O que precisamos é de mais democracia e justiça, com muita força e participação popular. Quem está na função militar da ativa deve se preservar de manifestações políticas com intuitos, inclusive, partidários.

Comentários

comments powered by Disqus