09/04/2018 as 11:28

Até quando teremos apagões?

Os sergipanos testemunharam no dia 21 de março mais um apagão


Os sergipanos testemunharam no dia 21 de março mais um apagão. Aliás, um apagão demorado que causou prejuízos a todos. E agora, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revela que o apagão que atingiu 70 milhões de pessoas no Norte e Nordeste foi causado por uma falha humana. Isso mesmo, falha humana.


A falha veio porque alguém programou o ajuste e esse ajuste foi indevido. E milhões de brasileiros pagaram por mais esse apagão. O problema desequilibrou o sistema e gerou o desligamento em série, que apagou 98% das linhas de transmissão do Nordeste e 86% do Norte. Das 480 linhas de transmissão nas duas regiões, 458 saíram do sistema.

A explicação é muito simples e esconde um problema que não tem solução: a crise energética. O Brasil tem sofrido apagões e nenhuma medida mais eficiente tem sido adotada. E, para piorar, o consumo e a geração de energia elétrica no Brasil cresceram 2% em março na comparação com o mesmo período do ano passado.


O boletim de março mostra que a elevação no consumo foi influenciada diretamente pelas maiores temperaturas registradas este ano. A produção das usinas hidrelétricas aumentou 3,5% – o percentual também inclui a geração das pequenas centrais hidrelétricas, mas esse aumento nas hidreléticas tem sido pouco diante do crescimento do consumo.


Os setores cujo consumo cresceu, considerando autoprodutores, comercializadores varejistas, consumidores livres e especiais, foram o comércio (25,7%), serviços (11,0%) e manufaturados diversos (9,4%). O crescimento desses setores está vinculado à migração dos consumidores para o mercado livre.


A falta de chuvas tem contribuído para piorar a crise energética. O governo precisa apressar suas ações para impedir que o sistema elétrico entre em colapso. Há um atraso enorme nas licitações de novas hidrelétricas, há descompasso entre a instalação de geração hidrelétrica e eólica, não existe apoio à instalação de pequenas centrais hidrelétricas e faltam programas para a eficiência energética.
O governo federal não faz sua parte e os consumidores pagam caro com os apagões. Até quando?