07/05/2018 as 09:54

Os cinquenta anos da UFS e o curso de Direito

A Universidade Federal de Sergipe completará, no próximo dia 15, cinquenta anos de criação.


ANGELO ROBERTO ANTONIOLLI
REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

A Universidade Federal de Sergipe completará, no próximo dia 15, cinquenta anos de criação. A UFS foi fundada no início do endurecimento do regime militar. Naquele ano, 1968, a ditadura começaria a escancarar os dentes. A luta pela criação da nossa primeira, e, até agora, única Universidade pública em Sergipe, começou anos antes. Luta renhida, que acabou dividindo professores e autoridades. Dois blocos inicialmente antagônicos se formaram. Embates moderados, uns, e mais acirrados, outros. No final, tudo se ajeitou. A UFS veio a lume. Ganhou a sociedade sergipana. Ganharam os professores. Ganharam os técnicos. Ganharam os alunos. Todos, enfim, ganharam.

A Universidade Federal de Sergipe foi, pouco a pouco, conquistando espaços. Foi se alargando de forma quantitativa e qualitativa. Oportunamente, falaremos sobre o crescimento da UFS.


Por enquanto, preferimos nos deter a dois eventos auspiciosos que aconteceram nos últimos dias e que envolvem o nosso curso de Direito.
Primeiro, no dia 26 de abril, ocorreu a inauguração do Escritório Acadêmico de Direito no centro histórico de São Cristóvão, espaço que irá ofertar assessoria jurídica gratuita à comunidade são-cristovense, através da experiência de um estágio orientado para os nossos estudantes de Direito. É mais uma parceria da UFS com a Prefeitura Municipal, contando com o entusiasmo do prefeito Marcos Santana. Os alunos com o devido acompanhamento de professores e advogados da gestão municipal estarão inseridos em atividades nas áreas civil, penal, tributária e administrativa. Por enquanto.

Entendemos que as Universidades em qualquer tempo e lugar, especialmente as públicas, devem sair de seus muros, para prestar satisfação direta à sociedade na qual estejam inseridas, através da prestação de serviços no que denominamos de atividades de extensão. Extensão feita para servir às pessoas e não para se voltar para os próprios umbigos da comunidade acadêmica. Certas atividades que ocorrem internamente levam, por vezes, a nomenclatura de extensão, sem na verdade o serem.


Quando a Universidade volta-se para o público externo, leva professores e alunos a desenvolverem projetos e consequentes ações que, além de servirem às pessoas que precisam de tais ações, acabam patrocinando várias ideias que se concretizam no campo da humanização. Humanizar as atividades no plano da extensão é fazer com que professores e, sobretudo, alunos se encontrem com as realidades vivenciadas pela sociedade, ou por parcelas desta, por vezes as mais sofridas. A humanização é um aprendizado que nunca se apagará das mentes e dos corações das pessoas. Oxalá todos os estudantes dos cursos superiores passassem por experiências de humanização.


Ir ao encontro do povo. Transformar o aprendizado em algo concreto, que, depois, será levado à sala de aula para discussão com a possiblidade de aprimorar as experiências vividas para novas etapas, aplainando os caminhos para outros que virão a seguir. É, em suma, fazer laboratórios sociais na prática, interagindo na vida das pessoas.

Em ações que tais, ganha a Universidade, que acaba cumprindo um papel de relevância social e ganha a comunidade, que vai encontrar especialistas da melhor qualidade e dos mais diversos setores do campo de atuação da Universidade. No caso, no setor jurídico.


Essa parceria da UFS com o município de São Cristóvão leva em conta dois aspectos fundamentais: a necessidade dos nossos alunos terem a prática, o convívio com o mercado de trabalho, no dia a dia, e a importância de ajudar a população, sobretudo, a mais carente, e trabalhando com vistas a contribuir para o fortalecimento de uma sociedade mais livre, justa e solidária, como apregoa a Constituição Federal.

O outro evento do qual a UFS tem muito do que se orgulhar foi, mais uma vez, a espetacular vitória dos nossos alunos de Direito, que obtiveram o primeiro lugar no Exame Unificado da OAB, batendo todos os alunos dos demais cursos de Direito do Brasil inteiro. Aliás, é a terceira vez que isto se dá. Noutras vezes, os nossos alunos sempre pontuaram entre os melhores. Não é atoa, por exemplo, que o nosso Curso de Direito já foi agraciado com todos os Selos OAB Recomenda, desde o início da sua instituição pelo Conselho Federal da OAB, único do nosso estado a recebê-lo. Nenhum outro curso de Direito sergipano jamais ganhou um só destes Selos. Até agora tem sido uma exclusividade do nosso curso de Direito.

Nas comemorações do cinquentenário da UFS, queremos de público parabenizar os nossos professores, e, em especial, os nossos alunos do curso de Direito. E queremos dizer-lhes em alto e bom som: vocês orgulham a Universidade Federal de Sergipe. Bravo!