22/05/2018 as 09:35

Editorial: Onde vamos parar?

A gasolina subirá 0,9% e o diesel 0,97%. Com a alta, o preço da gasolina passará a custar R$ 2,0867, enquanto o do óleo diesel sobe para R$ 2,3716.


O preço da gasolina em Sergipe, a exemplo do que acontece em todo o país, chegou a níveis absurdos, valores próximos ou acima de R$ 5,00. E ontem a Petrobras “presenteou” os brasileiros com mais um reajuste. A partir de hoje, os preços do diesel e da gasolina estão mais caros nas refinarias. A gasolina subirá 0,9% e o diesel 0,97%. Com a alta, o preço da gasolina passará a custar R$ 2,0867, enquanto o do óleo diesel sobe para R$ 2,3716.

O aumento, mais um para a conta do consumidor incrédulo, é o 11º aumento do preço da gasolina nos últimos 17 dias. A exceção ocorreu entre os dias 12 e 15 deste mês, quando a estatal interrompeu a sequência de altas ao manter o preço da gasolina em R$ 1,9330, e entre os dias 19 e 21, quando os preços passaram para R$ 2,0680. Ao longo do mês de maio, o preço da gasolina subiu 16,07%.

A Petrobras afirma que as altas constantes dos derivados são atribuídas às oscilações do preço do barril do petróleo no mercado externo. Segundo a estatal, “os combustíveis derivados de petróleo são commodities e têm seus preços atrelados aos mercados internacionais, cujas cotações variam diariamente, para cima e para baixo”. Segundo a companhia, a variação dos preços nas refinarias e terminais é importante para que a empresa possa competir de forma eficiente no mercado brasileiro.

Pressionado pela opinião pública, o presidente Michel Temer convocou uma reunião de emergência para discutir a alta dos preços dos combustíveis. A reunião ocorre no momento em que os caminhoneiros deflagraram uma paralisação por tempo indeterminado, com bloqueios de rodovias em pelo menos dez Estados. Os caminhoneiros se queixam do reajuste das tarifas do diesel.

O governo examina a redução de tributos incidentes sobre os combustíveis, mas não tem ainda nenhuma decisão sobre o assunto. Em teleconferência com a imprensa estrangeira, ele afirmou que medidas para reduzir as alterações constantes nos preços estão sendo discutidas, mas destacou que o governo não tem neste momento “flexibilidade fiscal”.

Os constantes aumentos nos combustíveis, abusivos, viraram pauta dos políticos. O deputado federal Jair Bolsonaro, pré-candidato à Presidência da República, já se mostrou insatisfeito com a política de preços da Petrobras. O também pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes, afirma que a alta nos preços dos combustíveis é “uma aberração” e que, sob seu governo, a Petrobras sofreria uma reformulação. “Isso é uma aberração que praticamente nega a razão de ser da própria existência institucional da Petrobras”. Segundo ele, a política de preços adotada pela petroleira hoje está equivocada e desrespeita a sua estrutura de custos.
Que esse abuso não precise ser resolvido pelo novo presidente. O sr. Michel Temer tem o dever de resolver esse problema que tanto aflige os brasileiros.