27/06/2018 as 10:34

EDITORIAL: Atitude desumana

Quem viu crianças em “gaiolas”, separadas dos seus pais, ficou sem entender o motivo de atitude tão desumana.


As cenas chocam. E são repugnantes por tudo que representa: preconceito, radicalismo, xenofobia, enfim, um comportamento fascista que o mundo inteiro condena. Trata-se da política imigratória adotada pelos Estados Unidos, que nem mesmo os americanos apoiam. O governo Trump está sendo processado por 17 Estados dos EUA e o Distrito de Columbia, que estão buscam interromper o que chamam de “cruel e ilegal” política de separar forçadamente famílias imigrantes que adentram o país pelo México.

Quem viu crianças em “gaiolas”, separadas dos seus pais, ficou sem entender o motivo de atitude tão desumana. A ação na Justiça dos EUA alega que a política do governo é também inconstitucional em parte porque é motivada por “ânimo e um desejo de ferir” imigrantes que chegam da América Latina.

O Brasil está no epicentro desse furacão. Temos crianças detidas na fronteira americana, separadas dos pais. O cônsul-geral adjunto do Brasil em Houston, Felipe Santarosa, confirmou que há 51 crianças brasileiras separadas dos pais, depois de terem cruzado a fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Uma das crianças identificada pelo consulado do Brasil está em um abrigo pequeno, para apenas 170 crianças. Como é o único que fala português, acaba se comunicando em espanhol na maior parte do tempo. O consulado não tem informações sobre outras crianças brasileiras que foram separadas dos pais.

Desde maio, a política do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de tolerância zero com a imigração ilegal, levou à separação de mais de duas mil crianças de suas famílias ao passar pela fronteira entre México e Estados Unidos. Depois de muita pressão doméstica e internacional, Trump assinou um decreto executivo que poria fim à separação das famílias. A solução deve ser manter as crianças presas ao lado dos pais.

A situação das mais de 40 crianças e adolescentes presos na fronteira americana com o México deve ganhar destaque no primeiro encontro de alto nível entre Estados Unidos e Brasil em território nacional. O vice-presidente de Trump, Mike Pence, está no Brasil e precisa ser cobrado. É inaceitável o tratamento dado às crianças imigrantes pelos EUA.

O Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos atualizou os números e elevou para 538 o número de crianças imigrantes que voltaram a ficar perto de seus familiares. Mesmo com essa medida de Trump, o Escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) disse que a reunificação não soluciona o problema. A porta-voz do organismo da ONU, Ravina Shamdasani, disse que em nenhuma circunstância se pode deixar uma criança em um centro de detenção.

Os Estados Unidos sempre foram uma nação que recebia outros povos de braços abertos, embora buscasse controlar a imigração ilegal. Com Trump, tornou-se a nação de braços fechados. Esse é um dos períodos mais trágicos e vergonhosos da história da “nação dos imigrantes”.