01/08/2018 as 07:58

Artigos

EDITORIAL: O preço do diesel

O desconto no diesel foi um dos pontos negociados pelo Governo com os caminhoneiros para por fim à paralisação.


O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou ontem que o Governo Federal continuará contribuindo com o desconto de R$ 0,46 no preço do diesel. Segundo ele, o subsídio continuará até 31 de dezembro. E depois disso, o que acontecerá?

A princípio, agora, o governo pretende fazer o cálculo da variação do preço do petróleo e do óleo diesel no mercado internacional. Isso significa que o preço do diesel pode aumentar, a depender do mercado internacional, mas o governo continuará mantendo o desconto de R$ 0,46. O ideal para o usuário de veículos a diesel seria manter a proporcionalidade de hoje.

Esta é a primeira revisão feita nos preços do combustível desde o acordo entre governo e caminhoneiros. A partir de agora, a revisão será feita de 30 em 30 dias até o fim do ano.

Padilha afirmou que é óbvio que se no preço internacional tivermos variação em cada um dos meses poderá aumentar o preço aqui. Depois [a revisão] será de 30 em 30 dias. Se nos 30 dias a avaliação for positiva, poderá haver aumento.

O desconto de R$ 0,46 sobre o litro do diesel foi um dos pontos negociados pelo Governo Federal com as lideranças do movimento de caminhoneiros para tentar por fim à paralisação iniciada no dia 21 de maio.

Naquela ocasião, milhares de caminhoneiros pararam seus veículos nas estradas e não distribuíram mercadoria, causando uma crise de desabastecimento de vários itens, como combustível e alimentos, em todo o país.

Vale lembrar que os reajustes dos combustíveis desgastam, e muito, a imagem do governo do presidente Michel Temer. Os usuários de veículos a gasolina também cobram a redução nos preços, que já ultrapassam os R$ 5,00 em vários Estados brasileiros.