08/05/2019 as 07:37

ARTIGOS

EDITORIAL: País do desperdício

Gastos públicos ineficientes no Brasil geram prejuízos de US$ 68 bilhões por ano ou 3,9% de tudo o que o país produz


Um estudo realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e divulgado ontem mostra que os gastos públicos ineficientes no Brasil geram prejuízos de US$ 68 bilhões por ano ou 3,9% de tudo o que o país produz – o Produto Interno Bruto (PIB). O Brasil é o país do desperdício.


Os dados da publicação “Desenvolvimento nas Américas”, que parecem assustadores para estrangeiros e deve ser visto com naturalidade pelos brasileiros (já acostumados com tantas notícias ruins), diz que há ineficiências na alocação de recursos públicos e na forma de execução de programas e projetos, entre eles os de compras governamentais, na gestão do funcionalismo público e nas transferências de recursos.


O estudo sugere melhorar a gestão de investimento público, com prioridade a projetos de maior impacto fiscal e que garantam o crescimento do país, isso para promover a eficiência dos gastos públicos.


O BID faz recomendações que incluem maiores investimentos em crianças em relação a idosos, aprimorar a gestão do funcionalismo público a partir de meritocracia e revisão de carreiras e salários, fortalecer os sistemas de compras públicas e criar mecanismos que assegurem as transferências de recursos para aqueles que realmente necessitam.


A reforma da Previdência é lembrada como necessária. Segundo o estudo do BID, o gasto no Brasil com previdência é, em termos relativos, o mais alto da região – gasta-se sete vezes mais com a população mais velha que os mais jovens.