09/05/2019 as 07:35

ARTIGOS

Extinção de Conselhos é ameaça à democracia


O presidente Jair Bolsonaro entra no quarto mês do seu governo desmontando uma estrutura de 35 conselhos e comitês, responsáveis historicamente pelo debate e pelo acompanhamento de políticas sociais.


A extinção da participação popular afronta à Constituição, que é bastante clara ao prever o engajamento da sociedade no planejamento, gestão e fiscalização de políticas públicas. É fundamental, desde 1988, assegurarmos a ampla interferência popular na condução dos assuntos de governo.


Sob o argumento de que é preciso desburocratizar e economizar, colegiados que discutem temas como direitos do idoso e pessoas com deficiência, em todo o Brasil, poderão ser extintos, sem que o governo apresente uma lógica de gastos, tampouco uma estimativa de economia.


É muito bom lembrar que os integrantes desses conselhos não são remunerados pelo trabalho que exercem. Quando recebem algo é apenas para custear o transporte e diária para as reuniões em Brasília, onde são implementadas em forma de Lei as lutas que travam no dia a dia. Conselhos que lutam por recortes da população que sempre estiveram à margem das políticas públicas, que sempre foram excluídas das ações de governo, a exemplo dos que tratam da questão indígena, das crianças em situação de rua e da população usuária de drogas.


É bom lembrar também que a atuação dos Conselhos é instrumento fundamental para o controle social, que estabelece uma linha de prioridades nas mais diversas áreas sociais e realiza o acompanhamento dos recursos e políticas públicas por parte da sociedade civil.


Na prática, de acordo com o Decreto n.º 9.759 estarão extintos a partir de junho todos os conselhos, comitês, comissões, grupos, juntas, equipes, mesas, fóruns, salas e “qualquer outra denominação dada ao colegiado”, exceto os previstos em estatutos de instituições federais de ensino e aqueles criados ou já modificados pelo próprio governo desde 1º de janeiro.


Não há razão para abrir mão do debate. É nele que se sustentam as metas e as decisões do futuro. Não se pode reduzir o diálogo do Estado com os segmentos mais vulneráveis da população, sob o pretexto de tornar as coisas mais flexíveis. Se ao menos o governo tratasse de forma individualizada a função e a importância de cada colegiado, entenderíamos que há uma preocupação em torná-los eficientes. Mas não!


Como defensora das pessoas com deficiência, sou testemunha da importância dos Conselhos por todo o Brasil. No Piauí, quando fui presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade-PI), vi de perto o surgimento de políticas, projetos e programas diretamente ligados à causa, desde a conclusão e aprovação do Estatuto da Pessoa com Deficiência, a projetos que hoje são realidade, como os Centros Integrados de Reabilitação, o CEIR.


A criação do Estatuto, liderada pelo Conselho, foi amplamente discutida com a sociedade durante três anos. Todas as entidades representativas, Ministério Público e o Tribunal de Justiça estavam ali num só objetivo. Por conhecer a atuação dos Conselhos por todo o País, creio que a decisão do Governo foi precipitada e precisa ser revestida em tempo hábil.


Ficou claro para quem ouviu do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que a extinção dos conselhos por parte do Governo se dava por questões ideológicas: “Estes conselhos vinham de uma visão completamente distorcida do que é representação e participação da população. Tinham como gênese a visão ideológica dos governos anteriores de fragilizar a representação da própria sociedade”, disse.


Não sabe o Ministro, porém, que a história dos Conselhos é anterior a de governos petistas. Vem lá da década de 80 e 90 as primeiras ações colegiadas de defesa.


O Governo hoje não sabe onde estão, nem quantos são, os conselhos participativos do Brasil. Prometeram que até 28 de maio cada Ministério enviaria à Presidência suas listas de colegiados para a análise do governo para, depois disso, serem extintos, recriados, ou adequados “às novas regras”.


Que regras seriam essas? Quais influências o Estado quer exercer sobre as decisões coletivas? Ainda não há clareza sobre a extensão dessa mudança e seus respectivos efeitos. O Supremo Tribunal Federal (STF) já foi acionado por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) com pedido de liminar para que o Decreto 9.759 seja declarado inconstitucional e suspenso.

Tem o nosso apoio!


Ciente da importância histórica da participação popular sobre as decisões do Executivo, vamos nos manter vigilantes para que direitos fundamentais à dignidade humana sejam fortalecidos, e não dizimados.

Rejane Dias/deputada federal do PT pelo Piauí











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.