10/05/2019 as 07:44

ARTIGOS

Novo MEC, velho MEC


A cada dia a nova gestão do Ministério da Educação se aproxima da gestão Vélez Rodríguez e de sua inútil pauta de “guerra ideológica”. Depois do ataque aos cursos de Sociologia e Filosofia e do apoio à aluna que filmou uma professora em sala de aula com objetivos políticos, agora é a vez de atacar o patrono da educação brasileira, Paulo Freire, e cortar recursos de universidades federais que promovam “balbúrdia e eventos ridículos” em suas instalações, sem qualquer critério objetivo para justificar tais cortes.


O ataque a Paulo Freire partiu do próprio presidente Bolsonaro, ao revelar em entrevista intenção de mudar o patrono da educação brasileira sem qualquer justificativa. Freire é um dos educadores mais respeitados no mundo, com pelo menos 35 títulos Honoris Causa de universidades da Europa e da América. Seu livro “A Pedagogia do Oprimido” é o terceiro mais citado em trabalhos acadêmicos na área de Humanas no mundo.


A outra nota lamentável do “novo MEC, velho MEC” veio do ministro Weintraub, ao anunciar que três universidades federais – da Bahia, de Brasília e Federal Fluminense – tiveram seus recursos cortados por “balbúrdia ou evento ridículo”, sem qualquer critério objetivo, em evidente desrespeito à autonomia universitária e numa clara medida de retaliação contra essas universidades. Medidas virão contra outras instituições que não digam amém à cartilha do MEC e do projeto Escola Sem Partido. Isso é autoritarismo puro.

As universidades já enfrentam dificuldades com cortes orçamentários e agora ainda precisam seguir cartilha ideológica para acessar os recursos.


Mais uma vez, o meu apelo é para que o Ministério da Educação se preocupe com os temas reais da educação brasileira e não com essa fantasia de “guerra ideológica”. Precisamos de mais creches, mais qualidade na educação básica, mais atratividade para o ensino médio, mais acesso no ensino superior, mais recursos para pesquisa e inovação e mais gestão e recursos para todas as etapas e modalidades, além de melhores salários e condições de trabalho para os professores.


Não vamos tirar o Brasil do seu atraso educacional com ataques a professores, educadores, diretores de escola e universidades.

Educação se faz com ideias e projetos e não com discurso vazio.

Idilvan Alencar/deputado federal pelo PDT do Ceará