15/05/2019 as 07:38

ARTIGOS

Não aos ataques e aos cortes sobre a educação!


Weintraub afirma que o contingenciamento proposto pelo governo Bolsonaro na área pretende cumprir a lei de responsabilidade fiscal, o que é uma falácia. Serve, tão somente para responder aos imperativos do austericídio e para dar consequência à perseguição aos espaços de produção de pensamento crítico e conhecimento que são as Universidades Públicas. Também serve para promover chantagem para tentar garantir a aprovação da “Reforma” da Previdência.


É bom registrar que nos governos do PT aprovamos a Emenda Constitucional nº 53, do ano de 2006, relativa ao Fundeb, ampliando o fundo público e o apoio financeiro a níveis e modalidades historicamente secundarizados. Aprovamos, também, a Emenda Constitucional nº 59/09, ampliando a escolarização obrigatória dos 4 aos 17 anos, excluindo a educação dos efeitos da Desvinculação das Receitas da União (DRU), garantindo mais recursos para a área.


O orçamento do MEC saltou da casa de R$ 18 bilhões, em 2002, para mais de R$ 100 bilhões durante as nossas gestões. Foi criado o piso salarial do magistério e fizemos o Proinfância, o Prouni, o FIES e o Reuni, ampliando as possibilidades de acesso a todas as etapas da educação, garantindo direitos. Foram criadas 18 universidades federais e 173 novos campi e realizada a maior expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica.


Nossos esforços foram na direção certa, valorizando investimentos da creche à pós-graduação, enquanto as iniciativas de Bolsonaro pretendem aprofundar os efeitos nocivos da Emenda Constitucional nº 95, do Teto de Gastos, propondo cortes, contingenciamentos e a desvinculação de recursos para a área.


Não podemos admitir o desmonte do Estado, o ataque à educação básica e superior, por meio de restrições ao orçamento da educação. Universidades e Institutos, que formam quadros e que promovem oportunidades educacionais e desenvolvimento científico e tecnológico, os hospitais universitários, que atendem famílias e comunidades carentes que precisam do poder público, bem como as creches, pré-escolas e escolas que precisam ser concluídas e construídas, com o apoio do MEC, tudo a bem do direito do cidadão, seguem todos sendo castigados pelo atual governo.


Iremos batalhar para a recomposição e garantia do orçamento destinado às instituições públicas de educação, assegurando direitos e o funcionamento das instituições de ensino.


O Estado de Mato Grosso, através da UFMT, dos 19 campi do IFMT, além da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), que aguarda a nomeação de um reitor, garante formação, pesquisa e produção científica, dignificando o nosso povo e influenciando no desenvolvimento Estadual e Regional.


O nosso mandato seguirá firme em defesa da agenda do Plano Nacional de Educação (PNE), que passa pela ampliação dos investimentos públicos com a garantia de efetivas condições de funcionamento, com qualidade, de todas as instituições de educação.


Não aos ataques e aos cortes sobre a educação!

Rosa Neide/Professora e deputada federal (PT-MT)











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.