14/06/2018 as 09:12

Mercados

Rotina de medo com constantes assaltos

Comerciantes, clientes e turistas não aguentam mais os constantes assaltos no entorno dos Mercados.


Por Laís de Melo

Vira e mexe alguém é assaltado nas imediações do Mercado Central Governador Albano Franco, em Aracaju, segundo revelam os registros na Delegacia Plantonista. Nesta última terça-feira, 12, por exemplo, uma cidadã aracajuana foi assaltada por volta das 14h no mercado. Pelo relato no boletim de ocorrência, a mulher caminhava quando foi abordada por um elemento que a empurrou e roubou o celular, uma bolsa contendo carteira de identidade, cartões de crédito e R$ 60. Em outro registro, um carro foi furtado no estacionamento do mercado municipal.


Não é de agora que comerciantes e usuários se sentem ameaçados ao transitar pelas ruas deste mercado, tanto dentro como pelas imediações. Muitos revelam que pontos como os corredores e rampas que dão acesso ao Mercado Albano Franco se transformaram em locais altamente perigosos e propensos a roubos. Na maioria dos registros, as vítimas revelam que os meliantes se tratam de “flanelinhas” da região.

Um comerciante que pediu para não ser identificado conta que apesar da presença dos agentes da Guarda Municipal de Aracaju (GMA) no Mercado, os meliantes agem diariamente. “Os assaltos são constantes. Quanto mais prende vagabundo, mais aparece. Já presenciei tráfico de drogas. É constante”, disse, assustado e olhando para os lados, o vendedor.

Outros cinco comerciantes foram questionados pela equipe do JORNAL DA CIDADE quanto à segurança na localidade, e todos demonstraram medo para falar sobre o assunto. Preferiram se calar.

De acordo com o assessor de comunicação da GMA, Rogério Cesar, a falta de denúncia prejudica o trabalho das equipes. Ele conta que buscar informações com os comerciantes é uma missão quase impossível, pois dificilmente querem falar.

“É por isso que contamos com o telefone e a ligação é gratuita, para que denunciem os crimes, se tiverem suspeitas de tráfico de drogas, por exemplo. Porque a nossa locação de guardiões e viaturas fica em locais que têm maior incidência de crimes. As pessoas precisam dar informação. A mancha criminal naquela região não tem aumentado, se mantém constante, e aí o policiamento continua o mesmo. Para aumentar, têm que aumentar os registros”, explica o assessor.

O número para denúncias é o 153. A GMA disponibiliza ainda de um número de WhatsApp exclusivo para receber conteúdo desse tipo, o (79) 98166-7790. “Podem enviar fotos, vídeos, áudios, mensagem de texto. O importante é que essas denúncias podem ser anônimas e o sigilo é total. As pessoas precisam perder o medo de denunciar”, reforça Rogerio.


                                             


Ainda segundo o assessor, a Guarda Municipal é responsável pela segurança da área interna e dos bares do Mercado, mas, também atua como apoio à Polícia Militar na área do estacionamento. Ele informa que existe o conhecimento da atuação de supostos flanelinhas na área e alguns foram presos pelos guardas e pela PM em posse de bloqueadores de alarme de automóveis utilizados para furto a veículos.


Segundo Rogério, o grupamento específico da GMA realiza policiamento preventivo na área composta por 11 guardiões que atuam nos três mercados centrais, auxiliam a PM na área externa e atuam também nos dois terminais de integração do Centro.

“Aquela região é muito complexa, reconhecida há anos como ponto de comércio de entorpecente, agregando viciados e traficantes principalmente nos arredores dos mercados. O reforço policial pode ocorrer em momentos específicos, como durante o período junino e férias de final de ano, porque aumenta o fluxo de pessoas. Nosso planejamento é baseado em estatísticas, é extremamente importante que as pessoas acionem a GMA para denunciar e relatar os crimes e as suspeitas também para traçar estratégias de emprego da tropa”, afirma o assessor Rogério César.