10/08/2018 as 07:58

Mercados/Violência

Plano de ação conjunta é discutido

Segundo a Guarda Municipal de Aracaju (GMA), nos Mercados Centrais se apreende a maior quantidade de armas e entorpecentes.


Plano de ação conjunta é discutidoFoto: André Moreira/Equipe JC

Homicídios, roubos, furtos, golpes, tráfico de drogas. Esse é o cenário atual na região dos Mercados Municipais de Aracaju, no centro da cidade, local onde deveria imperar a segurança pública por se tratar de um ponto turístico forte da capital. No entanto, a violência tomou conta do local. De acordo com a Guarda Municipal de Aracaju (GMA), é nos Mercados Centrais onde se apreende a maior quantidade de armas e entorpecentes. Por conta dos altos índices, as polícias Militar, Civil e GMA se reuniram na manhã de ontem, 9, para traçar um plano de ações emergencial de combate ao crime na região.


O comandante geral da PM, coronel Marcony Cabral, revela que existem focos de tráfico de drogas no Mercado de Aracaju e por isso se faz necessário um conjunto de ações e estratégias para inibir as ações dos meliantes. Segundo ele, são diversas questões que resultam em criminalidade, até mesmo as de cunho social e de saúde pública, como os dependentes químicos que vivem na região.


“Nós temos que tratar esse assunto de maneira diferenciada. A questão do tráfico, nós tratamos com muita força para que possamos inibir as ações, porque isso é o que fomenta a criminalidade. Não é só o tráfico em si, mas toda a consequência que vem em função dele. Com a Inteligência de Polícia, e essa integração que nós estamos acompanhando, que é uma marca da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe, nós traremos soluções para que as pessoas não sejam vítimas nem de golpes, nem de ações delituosas, porque nós queremos uma cidade mais tranquila e um mercado onde o turismo e a presença das pessoas para o comércio sejam a única marca daquele local”, explica o comandante.


Ainda de acordo com o coronel Cabral, a junção das forças policiais representa o que de mais urgente a região dos mercados necessita: policiamento ostensivo e trabalho investigativo. “Nós temos um problema muito grave, como o que tivemos na Rodoviária Velha e conseguimos resolver. Por isso precisamos trabalhar de forma integrada para que possamos resolver e passar não só uma percepção, mas, uma sensação de segurança”, afirma.


A Guarda Municipal, responsável por cuidar do patrimônio público de Aracaju, atua nos três Mercados de Aracaju, Albano Franco, Thales Ferraz e Antônio Franco, e ainda na região do terminal rodoviário. São 10 agentes da GM que trabalham diariamente entre esses pontos. Segundo o diretor geral da GMA, subinspetor Fernando Mendonça, a área externa aos mercados é a mais preocupante, inclusive nos estacionamentos, onde meliantes aplicam golpes para roubar os veículos.


“Nossa preocupação é o tratamento que nós iremos dar na área externa, apesar de que já é feito o policiamento ostensivo através da GMA e pela PM, mas, estão havendo ações delituosas que está tendo outro tipo de foco. Essa reunião é para podermos direcionar uma nova forma de trabalho, intensificando, dando mais segurança para as pessoas que ali transitam”, explica o diretor.


Ainda conforme o subinspetor Mendonça, a área do mercado é onde a GM mais apreende armas de fogo e drogas. “O combate ao tráfico lá, pela Guarda, é muito intenso. É tanto que lá é o local onde nós temos a maior quantidade de drogas apreendidas. Hoje nós estamos com o problema maior na área externa dos mercados. O trabalho de combate ao tráfico feito lá precisa ser melhorado sim, porque tem uma amplitude muito grande”, frisa.


Ele acrescenta ainda que crimes como roubos e furtos ocorrerem com muita frequência, além do golpe aplicado em quem estaciona os veículos próximo aos Mercados, um tipo de crime difícil de ser combatido, segundo o diretor, por isso a necessidade das ações e investigações da Polícia Civil.


“A nossa intenção é tentar coibir essa ação que é muito difícil de controlar, visto que esses criminosos observam a circulação dos Guardas e da PM. Apesar de estar passando sempre e constantemente, mas, no momento em que não está, é o momento que ele vai agir. E a intenção é identificar essas pessoas através da investigação da PC para que a PM e a Guarda possam agir”, salienta.


Foram apresentados dados estatísticos sobre a criminalidade nos Mercados Municipais durante a reunião, porém, não foram divulgados para a imprensa. “Vamos discutir essas ações ponto a ponto, já que temos alguns elementos, e vamos traçar ações para realmente acabar com esse tipo de crime no mercado. A PC, através da Coordenadoria e da delegacia de área, se soma na parte investigativa”, ressalta a coordenadora das Delegacias da Capital em exercício, Nalile Castro.

Laís de Melo/Equipe JC