14/05/2019 as 08:56

Cortes do Governo Federal

Alunos do IFS protestam contra corte de recursos

Cerca de 30% das verbas para as unidades foram bloqueadas


Alunos do IFS protestam contra corte de recursosFoto: Jadilson Simões/Equipe JC

Alunos, professores e colaboradores do Instituto Federal de Sergipe (IFS), Campus Aracaju, abraçaram a unidade na tarde desta segunda-feira, 13, em ato contra a política de cortes na educação anunciada semana passada pelo Governo Federal. De acordo com a instituição, o corte representa o bloqueio de 30% das verbas para o funcionamento das unidades, o que dificultará o pagamento de contas como água, luz, internet, manutenção de laboratório etc. Ao todo serão mais de R$ 11 milhões em cortes, sendo R$ 10.446.140 de funcionamento, R$ 597.276 de investimento e R$ 84.245 de capacitação.


Somente na unidade do Campus Aracaju, segundo o diretor geral Elber Gama, estudam atualmente cerca de 3.500 alunos e todos serão prejudicados com a proposta anunciada pelo Ministério da Educação.


“A proposta do bloqueio como está sendo veiculada atinge todo o custeio e automaticamente irá interferir de forma direta na manutenção e funcionamento. Certamente trará grandes dificuldades para que possamos enfrentar os meses restantes desse exercício financeiro, porque o nosso planejamento orçamentário que já está em execução levou em consideração o orçamento previsto para o ano todo. Se no meio da execução você recebe a notícia de um corte, todo o seu planejamento é quebrado. Isso gera sérias dificuldades sem dúvida alguma”, disse o diretor Elber.


De acordo com o presidente do Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Pública Federal, Guthierre Araújo, os cortes no IFS já estão acontecendo há algum tempo, no entanto essa é a primeira vez, segundo ele, que “um governo sente orgulho de cortar da educação”.


“Esse governo está tentando destruir o sistema de ensino federal que existe. Temos uma instituição que é referência. Se o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes [Pisa], que é o indicador que mede a qualidade do ensino mundial, fosse realizado pelos institutos federais o Brasil em termo de educação estaria em 2º lugar no mundo. Estaria em 30º lugar em matemática e 11º em ciência. Então isso aqui é um patrimônio e não podemos deixar isso acontecer”, revela Guthierre.


O aluno Levi Lemos estuda o segundo ano de Informática Integrada e está preocupado com a situação da instituição. Para ele, é necessário a união de todos, independentemente do posicionamento político, para evitar os cortes nas verbas.


“Acho muito importante a mobilização dos alunos para defender a instituição. Não é uma coisa de partido, é questão de bom-senso fazer o ato e defender a nossa intuição. Sendo de direita ou esquerda, apoiador do presidente ou não, é muito importante fazer o ato contra o corte dos 30%”, desabafa o estudante, que está na metade do curso.


A mobilização aconteceu em todos os outros nove campi do IFS no Estado de Sergipe. Na próxima quarta-feira, todos estarão reunidos no ato contra o desmonte na educação que acontecerá a partir das 15h, na Praça General Valadão. “Vamos mostrar ao governo que a educação não ficará como último plano. Nós queremos a educação como prioridade nesse país”, reforça Guthierre.

Por Laís de Melo/Equipe JC