11/06/2019 as 17:56

GREVE GERAL

Servidores do HU prometem entrar em greve geral a partir da próxima semana

Movimento paredista será por tempo indeterminado e deve afetar as 48 unidades administradas pela Ebserh


Os servidores do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe prometem entrar em greve por tempo indeterminado já a partir da próxima terça-feira, 18. O representante dos empregados do HU de Sergipe junto à Comissão Nacional de Negociação, Ricardo Abel Garcia Passos, explicou que o movimento paredista vai afetar as 48 unidades administradas pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) no país.

Falta de entendimento nas negociações para concluir o acordo coletivo de trabalho seria o motivo da greve geral. Pelo menos é o que alega a categoria, que diz que a paralisação deveria ter sido deflagrada no início deste mês, mas a gerência da Ebserh teria prometido apresentar uma nova proposta, o que foi feito, mas não agradou a categoria.

A proposta apresentada pela Ebserh, segundo informou Ricardo Abel, seria de reposição salarial ao patamar de 90% sobre o INPC e, mesmo assim, de forma parcelada: 50% do valor seria pago neste mês e os 40% restante quitado somente no próximo ano. A categoria realizou nova plenária em Brasília e decidiu recusar, aprovando a greve geral para o próximo dia 18.

Além disso, de acordo com Ricardo Abel, a Ebserh está propondo a exclusão de alguns itens do acordo coletivo que está em vigor, que retira conquistas históricas da classe trabalhadora. Ele citou como exemplo o abono do ponto por dois dias durante o ano, que serviam para que os servidores, com carga horária de 8h diárias, pudessem usar a folga para resolver os problemas pessoais e ainda congelar o auxílio alimentação fixado em R$ 528. “Nos demais, o auxílio alimentação chega a R$ 1.038. E o nosso não chega à metade do segundo colocado no ranking”, avalia o sindicalista.

Ebserh

A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) explica que a proposta apresentada foi a melhor possível, de acordo com o momento econômico que o país atravessa. No entanto, existe uma disposição para melhorar as cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho 2019/2020.