19/06/2019 as 09:47

“Se não negociar, a polícia vai parar”

Policiais civis podem paralisar caso governador não dialogue com a categoria

Café da manhã de alerta foi realizado hoje em frente ao Palácio dos Despachos.


Policiais civis podem paralisar caso governador não dialogue com a categoriaFoto: André Moreira/Equipe JC

“Se não negociar, a polícia vai parar”. Esse era o grito bradado por agentes, escrivães e agentes auxiliares da Polícia Civil (PC/SE) mobilizados em frente ao Palácio dos Despachos, situado na Zona Sul de Aracaju. Como forma de chamar a atenção do governador Belivaldo Chagas, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE) promoveu um café da manhã de alerta nesta quarta-feira, 19, com a categoria reunida.

O Sinpol reivindica a ausência de reposição inflacionária, que fora concedida recentemente pelo Governo do Estado a outras categorias de servidores públicos e não contemplou os civis. O sindicato alega, também, que a revisão salarial da categoria não acontece há mais de seis anos. A pauta de reivindicação conta, ainda, com o desprovimento governamental acerca da reestruturação dos cargos que integram a base da Polícia Civil, como forma de melhorar a prestação de serviço nas delegacias.

“Não estamos falando, neste momento, de aumento. A sociedade sergipana precisa entender isso. A gente está falando da manutenção do nosso poder de compra através da inflação como os bons exemplos que fizeram o Tribunal de Contas, a Assembleia Legislativa, o Tribunal de Justiça e o Ministério Público. A gente quer exigir do governador que ele cumpra um dever constitucional que é o da revisão geral anual”, pontuou o presidente do Sinpol, Adriano Machado Bandeira.

Esse foi o terceiro ato realizado pela categoria como forma de alertar o governador para que o canal do diálogo seja viável. A primeira mobilização ocorreu em frente à Superintendência da Polícia Civil e a segunda na Delegacia Plantonista Norte (Central de Flagrantes). Caso a situação não seja resolvida, os civis podem paralisar as atividades. A paralisação pode ocorrer neste período junino.

“A categoria decide tudo coletivamente. Até sexta-feira essa categoria que está aqui, com essa mesma força, irá decidir quais serão os próximos passos. Por enquanto, é o alerta. Mas pode chegar à paralisação. A decisão da categoria vai depender do governador. Ele será o responsável por isso”, expressou o presidente do Sinpol.  











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.