12/07/2019 as 09:04

Reorganização

Redução de homicídios em Sergipe

Em comparação com 2016, foi registrada a maior redução na incidência de homicídios no Estado.


Redução de homicídios em SergipeFoto: André Moreira/Arquivo JC

Um dos principais fatores que contribuíram para a redução de 30,1% na ocorrência de homicídios no Estado foi a reorganização do sistema prisional. A Secretaria de Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc) contabilizou dois anos e seis meses sem fugas das unidades prisionais de Sergipe. Os investimentos em melhoria da estrutura e capacitação profissional dos agentes prisionais é fundamental para a queda nos registros desse crime.


De acordo com levantamento feito pela Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim), da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a redução na incidência de homicídios foi de 30,1% em comparativo feito entre o primeiro semestre de 2018 e o de 2019.


Em comparação com 2016, foi registrada a maior redução na incidência de homicídios no Estado. Entre os seis primeiros meses daquele ano e os de 2019, a queda foi de 37,9% no número de casos desse crime em Sergipe. A reestruturação do sistema prisional sergipano e a parceria com a SSP foram fundamentais para essa redução.


“Não há dúvidas que o sistema prisional deve ser encarado como um dos principais pontos de equilíbrio da segurança pública no Estado. Em todos os estados existem estudos que demonstram que a estabilização do sistema prisional traz reflexos diretos na segurança pública”, destacou o secretário da Justiça e Defesa do Consumidor, Cristiano Barreto.


O secretário complementa citando que a reestruturação das unidades do sistema penitenciário de Sergipe, a valorização do trabalho dos agentes prisionais e a reinserção dos internos são de extrema importância para a redução da incidência desse tipo de crime no Estado.


“Nós procuramos trazer um lema no sistema prisional voltado para o equilíbrio do sistema, para a valorização da categoria e da reinserção dos presos. São três fatores que contribuíram sem sombra de dúvida para esses números que estão sendo apresentados, com essa redução histórica”, frisou.


O modo como o interno deixa o sistema penitenciário influência na própria reconstrução social. “O preso que sai da unidade prisional pela porta da frente sai com a perspectiva e a possibilidade de reinserção social. Aquele que foge da unidade prisional busca a reincidência criminosa, isso faz com que a segurança pública seja diretamente afetada”, complementou o secretário.


“Em 2016, nós vivemos uma das maiores crises do sistema prisional de Sergipe. Desde a interdição do semi-aberto em 2014 até o ápice em 2016. Foram registradas inúmeras fugas. A partir de 2017, com compromisso firmado pelo Governo do Estado junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), regularizamos as audiências e estancamos as fugas”, concluiu.

Reestruturação
A partir da identificação de problemas que vinham ocorrendo no sistema prisional de Sergipe, como interdições, fugas e dificuldades na condução de internos para as audiências, foram adotados procedimentos para a melhoria do sistema, que impactaram diretamente na melhoria da segurança pública do Estado.











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.