14/05/2019 as 08:46

Ocupe a Praça

Oficina gastronômica alcança merendeiras da rede municipal de ensino

Evento que acontece na próxima quarta-feira, 15, e homenageia um artista sergipano consagrado internacionalmente na arte contemporânea, o escultor Cícero Alves dos Santos, conhecido como ‘Véio’.


Oficina gastronômica alcança merendeiras da rede municipal de ensinoFoto: Funcaju

A Prefeitura de Aracaju, por meio do Núcleo de Produção Digital (NPD) Orlando Vieira, unidade vinculada à Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), está realizando nesta segunda-feira, 13, e terça-feira, 14, uma programação gastronômica que marca o encontro de gostos e a incorporação de novos ingredientes na cozinha do aracajuano, destinada exclusivamente às merendeiras da rede municipal de ensino. Em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Aracaju (Semed), essa é a segunda parte formativa do Ocupe a Praça, evento que acontece na próxima quarta-feira, 15, e homenageia um artista sergipano consagrado internacionalmente na arte contemporânea, o escultor Cícero Alves dos Santos, conhecido como ‘Véio’.

A primeira etapa, aberta ao público, aconteceu na manhã do último sábado, 11, no Centro Cultural de Aracaju, e contou com a Oficina Antropofagia do Sertão, ministrada pela chef de cozinha sergipana, Sheichele Barboza. O objetivo da programação é apresentar ao público frutas, legumes e temperos típicos do sertão sergipano, lugar de origem do artista. 

Na segunda etapa, a proposta da Funcaju é ensinar às merendeiras a produção de pratos com ingredientes exclusivamente da região sertaneja e que possam ser de fácil preparo dentro das escolas públicas da capital sergipana. A Funcaju entende que a gastronomia sergipana composta com ingredientes típicos do sertão é uma forma de manifestação cultural de um povo. O primeiro encontro da segunda etapa aconteceu na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Letícia Soares, no bairro Santos do Dumont. Já o segundo, ocorre na Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Bebé Tiúba, localizada no bairro Luzia.

A coordenadora do NPD, Graziele Ferreira, esteve presente no encontro e explicou ao público o motivo da Oficina Antropofagia do Sertão - gastronomia sergipana - integrar a parte formativa desse Ocupe a Praça. Ela ressaltou a relevância da união de potencialidades, como a cultura sergipana, a culinária e o sertão marcante e identitário.

“Especialmente pensada com link direto no sertão, origem do homenageado Véio,  os ingredientes selecionados também vieram direto da região. Juntar a culinária em geral e o gourmet artístico é uma forma potencializante de desmistificar a visão de que no sertão pouco se tira. Logo, cumpre esse papel de promover a reflexão, apresentando um outro olhar sobre o espaço”, afirmou Graziele.

Ao preparar o prato autoral “Pedaço de Sergipe”, a gastróloga e chef de cozinha Sheichele Alves Barboza relata que está entre as panelas e fogões há aproximadamente oitos anos e atualmente lidera a culinária do ‘Bistrô Seu Sergipe’, localizado no bairro Atalaia. Sheichele afirma que sempre quis mostrar a sua criatividade e foi através de suas raízes, da sua história familiar, da compreensão de quem ela era e do estado de Sergipe, que ela decidiu entrar para área. “A oficina foi um desafio muito gostoso, pois tive que pensar fora da caixa. Às vezes queremos pensar arte e cultura e não entendemos que a cultura se apresenta por meio da comida, que é transcendente. Você literalmente é o que você come e por isso o nome da oficina ministrada hoje é Antropofagia do Sertão. Isto é, devorar o que é nosso e explorar as riquezas do sertão de Sergipe, porque quando a gente conhecer o lugar, conseguimos ter um conhecimento para além do acadêmico”, explicou Barboza.

Luana Silva de Oliveira, estudante e prestes a se formar em Gastronomia na Universidade Tiradentes (Unit), relatou a experiência do último sábado, 11. “É algo muito novo. Por mais que sejamos daqui, e exista o medo de que não sejamos reconhecido, a oficina nos propõe um outra visão. Em resumo, foi aquela pitada de esperança e de renovação”, destacou.

Diego da Silva Ribeiro, estudante do curso de Guia de Turismo do Instituto Federal de Sergipe (IFS), aproveitou a oficina aberta ao público e ressaltou que a ação aumentou o seu interesse pela gastronomia. Ele pontua como encontros como esses é de suma importância para o Estado. “Trazer a oficina para cá, os bastidores da cozinha, uma chef de renome no Estado, o passo-a-passo, além das fotografias apresentadas do interior e as pessoas que participam desse processo, contribui para a culinária acontecer. É uma oportunidade ímpar”, contou o estudante.