29/12/2017 às 10h41 - Morar Bem

Prepare-se para a temporada de promoções

Lojas de móveis e decoração oferecem descontos de até 60% para quem quer renovar a casa no início de 2018.

Por: Laudicéia Fernandes/ Equipe JC

Quando chega janeiro, surgem as primeiras liquidações do ano no segmento de decoração. Lojas de móveis e de objetos decorativos oferecem promoções que são uma verdadeira tentação para quem quer garantir a casa mais bonita a preços mais baixos. E os descontos são de fato tentadores, variando de 10% a 60% em lojas sofisticadas e também nas populares. Por isso, a hora é de pesquisar e de aproveitar as promoções que se estendem durante todo o mês de janeiro ou até acabarem os estoques.

 

De fato, ano novo é sinônimo de mudança, inclusive na casa. E o início do ano é perfeito para isso, já que as principais lojas de decoração e design entram em liquidação. Segundo o arquiteto Marcelo Rosset, é a hora de vasculhar as prateleiras em busca de peças curingas, que são capazes de transformar o ambiente. “Objetos decorativos acrescentam personalidade aos espaços. Além disso, é uma ótima oportunidade para encontrar aquela peça de valor mais alto com um preço mais acessível, porém capaz de transformar a casa de uma vez só”, afirma o profissional.

 

Foto: Divulgação

 

As campanhas de promoção são reflexo do resultado das vendas de final de ano. No Centro de Aracaju, por exemplo, as lojas já apresentam produtos com descontos, pensando nos potenciais clientes deste período. Já é possível encontrar mercadorias com valores 30% ou 40% menores nas compras à vista. Se a opção for adquirir através de cartão de crédito, é possível ter desconto de 15% a 20% a depender do fabricante. 

 

Em geral, as mercadorias em promoção, como armários para cozinhas, guarda-roupas, mesas, estofados, entre outros, são artigos que não tiveram boa aceitação no mercado. Detalhe: as peças que sobram apenas no showroom podem ter descontos de até 60%. E promoção continua até acabar o estoque. 

 

A dona de casa Maria Celeste da Silva, de 54 anos, quer renovar a sala de estar e comprar um sofá e poltronas. Pensou em fazer isso no fim do ano, mas preferiu esperar as promoções de janeiro, na esperança de conseguir preços melhores. “No início do ano, as lojas sempre oferecem bons descontos e, por isso, vale a pena esperar mais um pouquinho. Tomara que, em janeiro, os valores estejam bem mais baixos. Quem sabe não dá até para comprar uma estante nova para minha televisão de 46 polegadas que ganhei de presente de Natal?”, cogita Celeste.

 

Cautela sempre


Mas, antes de cair em tentação, veja algumas dicas para fazer boas compras e evitar futuras dores de cabeça. Primeiro, organize as contas de início de ano. Antes de gastar, o consumidor deve ter uma reserva financeira para cobrir despesas como Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), material e uniforme escolar etc. O ideal é comprar apenas o necessário, evitando compras parceladas com juros, uso do limite do cheque especial e rotativo do cartão de crédito.

 

É necessário, também, definir previamente o que vai comprar. Compare os preços em diferentes lojas para ver se a oferta realmente vale a pena. Se possível, guarde folhetos publicitários, encartes e outros anúncios – o Código de Defesa do Consumidor determina que o lojista é obrigado a cumprir toda oferta que for divulgada. 

 

Outra dica é evitar fazer as compras de forma apressada. Então, não deixe de verificar o estado do produto. No caso de eletroeletrônicos, observe se está funcionando direito e se o conteúdo confere com os dados informados na embalagem. Veja, ainda, se o manual de instruções está em português, o que é obrigatório. 

 

Algumas lojas vendem, na promoção, produtos com pequenos defeitos – móveis ou eletrodomésticos com partes amassadas, por exemplo. Quando o consumidor faz a compra sabendo do defeito, a loja não tem obrigação de dar garantia para esses problemas. Se o defeito não for conhecido do consumidor, porém, vale o que diz a lei. O prazo para reclamar de defeitos aparentes ou de fácil constatação é de 90 dias para bens duráveis, como eletrônicos e eletrodomésticos. 

 

O lojista pode, primeiro, propor um conserto, que deve ser feito em até 30 dias. Se mesmo assim o problema persistir, o consumidor tem direito à troca do produto, à devolução do valor pago ou a um abatimento no preço. Para evitar surpresas, antes de concluir a compra, solicite ao vendedor que teste os produtos eletroeletrônicos, inclusive aqueles que funcionem à pilha. 

 

Opções de pagamento


Os lojistas estão autorizados a cobrar preços diferentes para um mesmo produto de acordo com a forma de pagamento (cartão de crédito, dinheiro, parcelamento etc.). Por isso, pergunte quais são as opções de pagamento oferecidas pela loja. A melhor opção é o pagamento à vista, pois o consumidor consegue barganhar descontos e não fica com o orçamento comprometido com prestações nos próximos meses.

 

Porém, se não for possível pagar à vista e a ideia for fazer um financiamento, leia o contrato com atenção, riscando os espaços em branco. A loja é obrigada a informar os juros cobrados, as taxas embutidas e o total da compra a prazo. Ao receber o boleto, verifique se ele está de acordo com o contrato.

 

Outra coisa: muitas lojas que promovem liquidações não entregam o produto na casa do consumidor. O cliente é responsável por levar a compra. Essa informação deve ser prestada de maneira clara e antes do fechamento do negócio. Também tenha atenção na entrega. Produtos entregues posteriormente devem ser conferidos na hora do recebimento. Se houver alguma irregularidade, devolva o produto, informando o problema na nota de entrega e entre em contato com a loja.

 

Vale lembrar que o Código de Defesa do Consumidor não obriga as lojas a trocarem um produto só porque ele não serviu ou porque o cliente não gostou. Nesses casos, a loja só terá de trocar a mercadoria caso tenha prometido. Para exigir que a empresa troque um produto sem defeitos, solicite esse compromisso por escrito, em etiquetas ou nota fiscal, por exemplo.

Comentários

comments powered by Disqus