16/03/2018 às 10h48 - Iluminação

Desmitificando a tecnologia LED

Há quase 140 anos, o inventor norte-americano Thomas Edison revolucionou a história ao criar a primeira lâmpada incandescente comercializável.

Por: JornaldaCidade.Net

Há quase 140 anos, o inventor norte-americano Thomas Edison revolucionou a história ao criar a primeira lâmpada incandescente comercializável. Apesar da evolução, elas continuaram emitindo mais calor do que luz e, desde julho de 2017, não são mais permitidas no Brasil, com exceção das lâmpadas halógenas, que possuem um processo químico diferente das incandescentes convencionais.

Produzidas com a tecnologia mais moderna do mercado, as lâmpadas LED (Light Emitting Diode) se tornaram a primeira opção de compra de muita gente não somente pelo baixo consumo de energia, mas, também, pela eficiência e durabilidade. Porém, ainda existem alguns mitos sobre o tema.

 

1 – As lâmpadas LED requerem  adaptadores

Mito: As lâmpadas comuns tipo Bulbo possuem soquete no padrão brasileiro E27 – típico da antiga lâmpada incandescente ou mesmo fluorescentes, sem nenhum tipo de adaptação, dispensando, na substituição de fluorescentes, inclusive o uso do reator eletrônico.

 

2 – LED não tem boa iluminação

Mito: Você precisa esquecer isso! As lâmpadas LED têm o mesmo poder de iluminação de qualquer lâmpada fluorescente, consumindo metade da energia! Para não errar no momento na compra da sua lâmpada, basta verificar a quantidade de lúmens (lm) – fluxo luminoso – na embalagem.

3 – Essas lâmpadas não podem ser dimerizadas

Mito: Existem muitos modelos de lâmpadas LED que são fabricados para serem dimerizáveis, possibilitando a alteração dos níveis de iluminação dos ambientes da sua casa de acordo com a sua vontade. Você só precisa ter um dimer adequado para poder usufruir das mesmas vantagens das antigas lâmpadas incandescentes, só que gastando muito menos.

4 – As lâmpadas LED não queimam

Mito: Elas só queimam se houver um aumento de temperatura ou uma sobretensão. Em condições normais, a intensidade luminosa da lâmpada de LED vai diminuindo com o tempo, podendo até chegar a não emitir mais luz. O tempo de vida útil dela fica em torno de 20 a 40 mil horas. Porém, você só irá perceber que a luz está diminuindo após cerca de 30 mil horas de uso.

 

5 – O descarte é muito complicado

Mito: Ao contrário das lâmpadas fluorescentes, que contém mercúrio em sua composição, as lâmpadas LED não possuem nenhum metal pesado, portanto, não agridem o meio ambiente. Você não deve esquecer essa informação, porque 98% dos materiais que compõem a lâmpada LED são recicláveis. Apesar de o Brasil ainda não possuir reciclagem específica desse tipo de lâmpada, procure locais que aceitem outros tipos de lâmpadas. Eles darão o destino correto para elas.

Comentários

comments powered by Disqus