20/07/2018 as 09:58

Morar Bem

Sua casa é segura?

Quedas na terceira idade dentro do lar preocupam profissionais da área da saúde, que alertam para a necessidade de projetos de ergonomia.


Sua casa é segura?Foto: Divulgação

A fase do envelhecimento é marcada por algumas alterações no corpo do idoso. Diminuição das massas óssea e muscular, diminuição de equilíbrio, artroses no joelho e quadril favorecem as quedas, que são a grande preocupação dos profissionais da área de saúde que trabalham com geriatria.
De acordo com Patrícia Fontes, fisioterapeuta da clínica de geriatria integrada Espaço Ativo, o risco de quedas de idosos é grande, e uma fratura nessa faixa etária pode trazer consequências desastrosas. “É preocupante porque as fraturas têm alto impacto na funcionalidade dos idosos. Eles perdem a capacidade de realizar as atividades diárias, e estudos apontam que 50% dos idosos que caíram e fraturaram o fêmur não vão mais ter uma marcha independente. Vão precisar de andador, muleta ou do auxílio de outra pessoa para caminhar”, relata.


A profissional também destacou uma estatística preocupante: idosos acima de 60 anos que sofrem quedas com fratura no fêmur têm 50% de chance de ir a óbito até seis meses após a fratura. “Isso ocorre por causa das complicações, que são os riscos de embolia, trombose, úlceras por pressão e as broncopneumonias, que são patologias que podem surgir após uma cirurgia”, complementa a fisioterapeuta. Apesar deste dado alarmante, Patrícia Fontes revela que, ainda assim, o que mais assusta o idoso é o medo de tornar-se dependente.


Diante dos impactos negativos ocasionados pelas quedas na terceira idade, é importante que seja feita a prevenção, que deve começar dentro de casa. Um dado divulgado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) aponta que 75% das lesões que levam idosos a irem aos hospitais acontecem dentro de casa. Com isso, fica a prova de que as casas onde residem a maioria dos idosos ainda não possuem a segurança necessária para protegê-los desses transtornos.

 

Casa segura


“Os acidentes mais comuns são as quedas devido a animais domésticos em casa, uso de tapetes, fios espalhados, piso molhado e/ou escorregadio, além de quedas em escadas. O lugar onde acontecem mais acidentes é o banheiro”, descreve a fisioterapeuta Patrícia Fontes.


Existem diversos itens a serem observados no momento da adaptação. O primeiro deles – e um dos mais importantes – é o piso. Com idosos no lar, é necessário buscar soluções antiderrapantes. Mas, caso não haja essa possibilidade, o ideal é que o proprietário da casa se desfaça de tapetes, para evitar que o idoso escorregue.


O conselho que a profissional da instituição especializada em tratamentos com idosos dá é que devem ser eliminadas todas as barreiras arquitetônicas que dificultam a locomoção e favorecem o risco de quedas. “É importante instalar barras de apoio e de proteção, além de corrimão e rampas onde for necessário”, acrescenta a fisioterapeuta.

 

Equilíbrio


Outra dica é que o idoso busque realizar com frequência tratamentos preventivos contra quedas e acidentes em geral, que normalmente acontecem por falta de equilíbrio. “Esse tratamento se dá através da recuperação do equilíbrio, da coordenação e restauração da força muscular e massa óssea. Existem também diversas técnicas que ajudam na prevenção. Começamos sempre pela adequação ergonômica da casa do idoso, chamada “casa segura”, onde o fisioterapeuta mapeia os pontos de risco da casa do idoso e elabora um projeto ergonômico para solucioná-los”, reforça Patrícia.