17/08/2018 as 10:00

Apartamento

Economia e sofisticação podem andar juntas na hora de decorar

Basta um bom projeto, criatividade e peças de qualidade para garantir que o imóvel fique bonito e funcional.


Receber a chave do apartamento novo é um momento muito especial. Mas, junto com ele, surgem algumas dúvidas: “Será que devo reformar?”; “Mudar móveis?”; “Trocar pisos e bancadas?”. Enfim, os questionamentos são muitos e nem sempre o orçamento acompanha tantos desejos. Porém, isso não é um problema quando se tem um bom projeto, criatividade e peças de qualidade.


                                     


A assistente social Cely Fontes, há menos de um ano, adquiriu o apartamento dela no empreendimento Jardins de Londres, da Norcon Rossi, localizado no Jardim Europa, no Bairro Jardins. Cely abriu as portas da casa dela e mostrou como fez para, de forma econômica, deixar o apartamento aconchegante. “Antes da entrega, eu já vinha acompanhando e observei que poderia aproveitar o material que seria entregue pela Construtora, como pisos, pia, pintura, metais e bancadas. Como a Norcon Rossi entregou produtos de qualidade, eu optei em deixá-los e investir em outras coisas”, destaca.

A proprietária do imóvel preferiu entrar logo no apartamento para morar. Segundo Cely Fontes, o marido e ela resolveram dar uma maior entrada no pagamento do imóvel, enquanto que a decoração seria feita aos poucos, situação que, aliás, acontece com a maioria das famílias. “Contratamos uma arquiteta que fez o projeto de acordo com o que queríamos e ajudou a adaptar o que eu já tinha. Como não precisamos fazer a reforma, investimos em gesso, iluminação, armários e repaginamos alguns móveis que eu já tinha. Fiquei muito feliz com o resultado. Minha sala é ampla e aconchegante. Só recebo elogios”, revela Cely.

A dona do projeto
A arquiteta Natyelle Ribeiro falou um pouco sobre o início do projeto e o que priorizou para deixar o ambiente do jeito que a proprietária do imóvel havia pensado. Destaque que o Jardins de Londres é um empreendimento com um grande leque de opções de planta. O apartamento de Cely, por exemplo, é formado por sala ampliada, duas suítes, gabinete, lavabo, além da cozinha, área de serviço e varanda. “Como a família tem dois filhos, para não perder a sala ampliada, que é um grande diferencial, conseguimos convencer um deles a ficar com o gabinete, já que a porta é voltada para o hall íntimo, pois, mesmo sendo um quarto menor, conseguimos ajustar bem para um solteiro”, explica.


De acordo com Natyelle Ribeiro, o ponto chave do projeto era aproveitar o que já tinha no local. “A gente veio com um desafio, só que a qualidade do acabamento e dos produtos que a Norcon Rossi oferece nos possibilitou fazer o projeto sem sentir prejuízo”, justifica. A arquiteta também pontuou como o projeto foi pensado. Disse que focou na iluminação, por ser um ponto-chave que valoriza detalhes e deixa o ambiente mais intimista.

Vale ressaltar que Cely estava cansada de tons mais escuros, por ter vindo de um apartamento onde tinha um mobiliário com tom mais fechado. Mas, ainda assim, a arquiteta conseguiu colocar um tom amadeirado em painéis, para promover a sensação de aconchego e charme da madeira, que são sempre bem-vindos. “Foi um contraste positivo. A parede com o espelho também deu amplitude, mesmo fracionando com ripas amadeiradas. No lavabo, como foi entregue com revestimento, colocamos um painel com nichos, fazendo um link com a sala e também quebra o aspecto de banheiro”, explica.

Móveis e suas histórias
Um dos pedidos feitos pela moradora foi o reaproveitamento de alguns móveis. Um deles foi a mesa de jantar, que, antes, ficava no sítio do casal e era em um tom escuro de madeira. Para compor o novo ambiente, a peça foi laqueada e ganhou cara nova. Além disso, os estofados das cadeiras e dos sofás também foram trocados para combinar com a nova sala. E, na varanda gourmet, o frigobar ganhou tons vibrantes após uma plotagem. Além disso, o jogo de mesa e cadeiras da varanda também acompanharam a Cely na casa nova. Assim, um pelego em uma das cadeiras deu um ar mais sofisticado à peça.
Para a arquiteta Natyelle Ribeiro, aproveitar os móveis e objetos da família é muito positivo, pois têm grande importância. Afinal, eles trazem histórias, e não se pode menosprezar isso na hora de decorar um ambiente. “Acho que o maior desafio é projetar e encaixar o que já se tem. Começar tudo do zero é mais fácil. Mas, além de manter a memória viva, [reciclar as peças] é ótimo para o bolso ou gera uma economia para se investir em outros itens”, avalia.

Economia
É preciso desconstruir a ideia de que, para residir em um imóvel novo, precisa, necessariamente, deixá-lo com cara de casa de revista, seja demolindo paredes ou trocando revestimentos. Ao priorizar a economia, o projeto em questão demonstra o quanto os ambientes podem ser aconchegantes, contando com o que já se tem. “Os clientes têm priorizado economizar. Com isso, a visão de que, para mudar, precisa estar com tudo novo, vem tendo menos adeptos. O acompanhamento de um profissional é muito importante para auxiliar neste aproveitamento dos objetos pessoais e do que já se encontra disponível no imóvel”, arremata Natyelle.