29/01/2019 as 13:57

OBRAS

Lei dos Distratos traz novas vantagens para incorporações

Advogado acrescenta que, além disso, a devolução do saldo remanescente poderá ocorrer somente após a conclusão da obra


Lei dos Distratos traz novas vantagens para incorporaçõesFoto: Divulgação

O patrimônio de afetação – previsto na Lei de Incorporações (4.591/64) – foi muito valorizado na Lei dos Distratos, publicada no final do ano passado. Quem explica melhor o assunto é Rodrigo Mutti, sócio de Silveiro Advogados e coordenador da área imobiliária da banca.
O chamado patrimônio de afetação é o regime pelo qual o terreno e as acessões objeto de incorporação imobiliária, bem como os demais bens e direitos a ela vinculados, são mantidos apartados do patrimônio do incorporador, sendo destinados unicamente à conclusão da obra e entrega das unidades imobiliárias aos respectivos adquirentes. “É um recurso que oferece maior segurança jurídica ao comprador do imóvel, pois obriga o incorporador a destinar os recursos de vendas de unidades ao custeio da obra. A sua instituição, entretanto, fica a critério do incorporador. Este deverá ponderar suas vantagens e desvantagens, de acordo com as circunstâncias de cada empreendimento”, esclarece Mutti.
Uma das já conhecidas vantagens de instituir patrimônio de afetação é a possibilidade de submeter as receitas da incorporação ao Regime Especial de Tributação (RET), pelo qual o incorporador recolherá alíquota única e reduzida congregando IRPJ, CSLL, PIS/Pasep e Cofins.
A novidade veio com o advento da Lei 13.786/18, popularmente conhecida como a “Lei dos Distratos”, que disciplina a resolução do contrato por inadimplemento do adquirente de unidade imobiliária em incorporação imobiliária e em parcelamento de solo urbano. Entre as diversas regras instituídas pelo texto, merece especial destaque o fato de que o incorporador passou a contar com mais um estímulo para submeter suas obras ao patrimônio de afetação. “Conforme o parágrafo 5º, do Artigo 67-A, adicionado à Lei de Incorporações, na hipótese de desistência pelo comprador, poderá a incorporadora reter até 50% da quantia paga, caso a incorporação esteja submetida ao patrimônio de afetação. Para as incorporações não submetidas a patrimônio de afetação, a retenção máxima será de 25% do recebido”.
O advogado acrescenta que, além disso, a devolução do saldo remanescente poderá ocorrer somente após a conclusão da obra, quando houver patrimônio de afetação instituído, sendo que, para imóveis sem este regime, o prazo é de 180 dias após o desfazimento contratual.











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.