26/07/2019 as 10:30

MORAR BEM

Na hora da pintura, escolha da tinta deve ser criteriosa

Excesso de cuidado pode evitar prejuízos e garantir um bom resultado.


Na hora da pintura, escolha da tinta deve ser criteriosaFoto: Divulgação

Apesar de parecer uma tarefa extremamente simples, pintar a residência, ou parte dela, é preciso ter muito cuidado e seguir passos essenciais para alcançar um excelente resultado e não precisar refazer o serviço.

Logo de início, uma diferenciação deve ficar bastante clara. Existem dois tipos de tinta: a premium e a standard. A tinta premium possui uma cobertura maior e o acabamento pode ser sintético e acrílico, sendo à base de solvente e água. Já a standard, é uma linha econômica e, exclusivamente, para ambiente interno.

Na hora de fazer a escolha, também é necessário verificar se a marca pertence a uma empresa qualificada pelo Programa Setorial da Qualidade (PSQ) da Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (Abrafati).

Tintas listadas nessa plataforma digital têm a garantia de cumprirem o que está definido nas normas técnicas em relação a aspectos como: poder de cobertura, resistência à limpeza e rendimento. Trata-se de uma ferramenta que analisa com frequência a performance das tintas e é referência de controle.

Para Anne Costa, coordenadora técnica da Abrafati, a plataforma também é uma ferramenta de defesa do consumidor. "É preciso que a tinta atenda às especificações determinadas pelas normas técnicas, para garantir padrões mínimos de qualidade. Usar um produto de qualidade e adequado para o acabamento desejado é essencial para que os resultados esperados sejam atingidos, garantindo a satisfação do consumidor", explica.

E o consumidor tem ficado cada vez mais exigente. De acordo com o responsável pelo setor de tintas da Pisolar, Jailson Soares, os compradores já chegam sabendo o que querem.

“As pessoas chegam procurando um acabamento com toque de seda, tinta acrílica, uma tinta lavável, ou seja, uma semibrilho, acetinada. Os pintores e arquitetos indicam muito. Dá um ar de sofisticação na parede. O consumidor está mais exigente. Ele já chega sabendo o que quer”, afirma o profissional.

A dona de casa Patrícia Andrade é uma dessas consumidoras que veio em busca de uma tinta específica. “Vim atrás de uma tinta fosca e com brilho, porque deixa o ambiente mais elegante. Já usei em outra residência e vim buscar novamente” diz.

Já a advogada Juliana Oliveira, pediu ajuda a uma designer de Interiores para ajudar na escolha do quarto do bebê que está esperando. Para isso, ela recorreu a um teste de cor vendido na loja de tintas.

“Vou pintar o quarto do bebê e vim comprar um teste para ver qual a tinta que mais combina com o ambiente. Não tem como comprar às cegas. É arriscar perder dinheiro. Mas, de uma coisa eu sei: quero fazer um quarto mais claro”, garante a advogada.

A tinta a ser utilizada, também dependerá da superfície que será pintada (alvenaria, metal ou madeira) e de qual ambiente do imóvel receberá a aplicação (área externa ou interna). Por exemplo, em caso de alvenaria, devem ser usadas tintas látex, devido ao seu desempenho em relação a requisitos como poder de cobertura, resistência à limpeza e rendimento. Outro ponto destacado nesse tipo de tinta é a sua resistência a ventos e chuvas.

Quando a superfície a ser pintada é de metal, a recomendação é usar esmaltes sintéticos standard ou premium, bem como tintas a óleo. Já nas madeiras, o ideal é o uso de vernizes, stains, esmaltes ou tintas a óleo, que evitam rachaduras e trincas e protegem a madeira de envelhecimento precoce, desbotamento e deterioração, repelindo a água e combatendo a formação de fungos, além de manter o ambiente agradável.

Por último, no que se refere à aplicação da tinta, é essencial conhecer as técnicas corretas e contar com as ferramentas mais indicadas. Além disso, é fundamental seguir as instruções do fabricante, contidas na embalagem, principalmente em aspectos como diluição e intervalo mínimo entre demãos. A escolha do profissional também ajuda a obter bons resultados.