26/07/2019 as 10:31

MORAR BEM

Parcela de imóvel pode custar bem menos do que valor de aluguel

Além disso, alta renda deixa de ser critério para financiar a casa própria.


Parcela de imóvel pode custar bem menos do que valor de aluguelFoto: Divulgação

Durante muito tempo, a população que ganha um salário mínimo, ou um pouco mais, hesitou em tomar a decisão de financiar a sua moradia própria. E, de fato, não é uma tarefa das mais simples, pois envolve planejamento e organização. Para tanto, uma alta renda não é mais critério para a aprovação do financiamento.

Porém, de um tempo para cá, as facilidades em torno da compra de um imóvel atraem cada vez mais famílias que desejam deixar o aluguel e assumir a parcela de um local para chamar de seu.

Por diversas vezes, os principais empecilhos para a concretização deste sonho giravam em torno do valor da parcela do financiamento e da necessidade de comprovar uma alta renda. Mas, hoje, a realidade é bastante diferente. Possuir uma alta renda não é mais critério para a aprovação do financiamento.

Para Jonathan Alves, de 32 anos, vendedor em uma loja de ferramentas, tudo foi bastante fácil. Ele adquiriu uma das unidades do condomínio Belo Jardim, da Construtora União, no Conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro. Segundo ele, a burocracia foi mínima. Com uma renda de cerca de R$ 1.200, Jonathan conseguiu uma parcela de R$ 400.

“É uma sensação boa a de uma conquista, mas acho que felicidade maior vai ser quando receber a chave e, realmente, poder ir morar. Será o auge da alegria, algo que só vou poder descrever quando realmente acontecer”, afirma Jonathan, que é casado e pai de dois filhos.

Quem também acreditou no seu sonho e decidiu sair do aluguel foi a técnica em enfermagem, Jeime Rafaela. Ela adquiriu, através da Century Imobiliária, uma das unidades do Vila Nova Sobrado, também em Nossa Senhora do Socorro.

Para isso, a jovem deixou o medo de lado e deu o pontapé na direção do seu principal objetivo. Atualmente, ela gasta cerca de R$ 1.200 entre aluguel e condomínio e, ao receber as chaves do seu imóvel, sua prestação será de, aproximadamente, R$ 380.

“Tenho um bebezinho e moro de aluguel. Mas, é bom demais saber que vou receber a chave de um apartamento que é meu. Terei uma economia imensa. É uma felicidade que não cabe em mim. Quando pensamos na compra dá muito medo, mas depois a gente cria coragem e vê que não é esse bicho sete cabeças. Tudo vai acontecendo”, pontua Rafaela. Ela, assim como Jonathan, também apresentou renda de R$ 1.200.

Tanto Rafaela quanto Jonathan terão prestações em torno dos R$ 400. Apesar disso, o gerente de vendas da Construtora União, Wendel Negri, garante que é possível ter uma prestação ainda menor e que pode chegar aos R$ 100, a depender do potencial de financiamento obtido pelo comprador e também do valor do imóvel.

“Primeiro passo é a pessoa querer adquirir o imóvel. Alguns acham que o processo é muito burocrático, porém é mais fácil do que se imagina. Primeira ação seria a situação de escolha do local aonde quer se morar. Segundo, tentar enquadrar a escolha com o orçamento. Temos diversas opções, tanto de imóvel quanto de valores, que combinam com o perfil de cada cliente”, explica o gerente.

Em se tratando de parcelas junto à construtora do empreendimento, o cliente consegue um plano personalizado de pagamento. É o que diz o proprietário da Century Imobiliária, Rodrigo Calfa.

“Esse valor é possível quando falamos em parcela junto à construtora. O ideal é procurar uma imobiliária para que possamos montar um plano de pagamento personalizado para as condições de casa cliente. O corretor sendo capacitado vai realizar uma simulação do financiamento do cliente junto ao banco e vai montar um plano de pagamento extremamente flexível e dentro da realidade de cada orçamento familiar”, pontua.

Normalmente, neste perfil de compra, os imóveis apresentam 2/4, na faixa de 43 a 50m², e estão dentro do Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) do Governo Federal, podendo ainda, localizarem-se em regiões da Grande Aracaju. Mas, também é possível pensar em imóveis na capital com uma prestação um pouco maior e que cabe, perfeitamente, no orçamento.

Dentre os requisitos para dar início à concretização do sonho da casa própria estão: não possuir restrição no SPC/Serasa e ter uma renda de, no mínimo, três vezes o valor da parcela do imóvel. O interessante é não comprometer quase toda a renda com a parcela do financiamento.

A documentação também é simples. Basta as cópias do RG, CPF, comprovante de renda (os três últimos contracheques), certidão de nascimento e comprovante de residência na cidade onde irá adquirir o imóvel. Também é importante que o adquirente nunca tenha recebido subsídio do Governo Federal vinculado ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), além de não possuir outro imóvel em seu nome. Com tudo planejado, é só achar o empreendimento ideal e curtir a realização deste sonho, que é a casa própria!