28/04/2018 as 17:49

Conbasf discute implantação de aterros sanitários

Projeto beneficia o Alto Sertão e o Baixo São Francisco; nova reunião irá acontecer


Conbasf discute implantação de aterros sanitáriosDivulgação

 

O superintendente do Conbasf - Consórcio de Saneamento Básico do Baixo São Francisco Sergipano -, Mário Albuquerque, esteve reunido com o secretário de Estado do Meio Ambiente, Olivier Chagas, para discutir a implantação de aterros sanitários na região de abrangência do consórcio, que envolve 28 municípios. O superintendente estava acompanhado do assessor jurídico do CONBASF, Mário Vasconcelos.

No encontro, Mário Albuquerque falou da necessidade em acelerar as tratativas para liberação dos recursos que irão financiar os projetos executivos dos aterros, inicialmente previstos para Monte Alegre (através da Semarh-Banco Mundial) e para Japaratuba (através da Secretaria de Estado do Turismo-Bird). No entanto, segundo Olivier, o município de Nossa Senhora da Glória se tornaria mais viável para receber esse aterro no lugar de Monte Alegre, por se tratar de uma região central e com um porte maior.

 Já em relação à Japaratura, o superintendente informou que o município atualmente destina seus resíduos sólidos para um aterro particular, sendo que nesse caso, seria mais viável estabelecer os estudos na cidade vizinha de Japoatã, cuja localidade favorece a destinação do lixo de municípios próximos.

Acreditamos que com esses estudos, seja viável a publicação de um PMI, que é o Procedimento de Manifestação de Interesse, para passar à iniciativa privada, a construção e a operação dos aterros. Além das estações de transbordo, onde os resíduos dos municípios próximos serão transferidos para essas estações, compactados e transportados. Mas isso depende desses estudos que serão feitos”, explicou o superintendente.

Segundo Mário Albuquerque, o secretário pediu um prazo de dez dias para uma nova reunião, onde ele pretende apresentar uma definição quanto ao local do aterro do Alto Sertão, que dever ficar em Glória. “Paralelo a isso, estamos desenvolvendo nos municípios associados ao Consórcio, a implantação da coleta seletiva e da educação ambiental, que é outro extremo da política da implantação de aterro sanitário”, informou.