28/04/2020 as 08:10

DECRETO

Três municípios já haviam tornado obrigatório o uso de máscaras

De acordo com o balanço divulgado pela Secretaria de Saúde, Simão Dias já registrou quatro casos confirmados da Covid-19, inclusive com um óbito

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Pelo menos três municípios sergipanos já haviam tornado obrigatório o uso de máscaras, antes mesmo do decreto governamental desta semana, como forma de combate à pandemia da Covid-19: Simão Dias, Ribeirópolis e Santa Luzia do Itanhy.

De acordo com o balanço divulgado pela Secretaria de Saúde, Simão Dias já registrou quatro casos confirmados da Covid-19, inclusive com um óbito. Já Ribeirópolis e Santa Luzia não possuem confirmação da doença em seu território, até ontem.

A primeira foi a Prefeitura de Simão Dias, que determinou o uso obrigatório de máscaras de proteção social para todos os munícipes que precisem sair de casa. Através de decreto nº. 2.813/2020, de 23 de abril de 2020, foi tornada obrigatória a utilização de máscaras pela população em geral, quando em trânsito nas vias públicas, condução coletiva, estabelecimentos comerciais e repartições públicas, durante o período compreendido de emergência em face da pandemia de Coronavírus. Todas as determinações do decreto podem ser conferidas no Diário Oficial do município, edição 1.523, de 23 de abril de 2020.

RIBEIRÓPOLIS
Em Ribeirópolis está em vigor desde a última sexta-feira, dia 24, a lei municipal de número 904/2020, que também torna obrigatório o uso de máscara por todos os cidadãos, enquanto perdurar o estado de calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19. A lei já havia sido aprovada pela Câmara de Vereadores e foi sancionada pelo prefeito Antônio Passos, tornando ouso da máscara obrigatório nas ruas, comércio e locais de trabalho, sendo de cada cidadão a responsabilidade pela aquisição do EPI. MULTAS No caso de cidadãos serem flagrados sem a utilização da máscara, em Ribeirópolis a lei estabelece que no primeiro momento haverá advertência, mas em caso de recorrência haverá multa – e para o comércio poderá haver até a cassação do alvará de funcionamento.

SANTA LUZIA DO ITANHY
O prefeito de Santa Luzia do Itanhy, Edson Santos Cruz, publicou na última quinta-feira, dia 23, o novo decreto que determinou a adoção de medidas adicionais, pelo município, para enfrentamento da pandemia do coronavírus (Covid-19), tornando obrigatório o uso de máscaras de proteção facial nos estabelecimentos autorizados a funcionar, como medida complementar à redução do contágio pela Covid-19. Por lá, a exigência da utilização das máscaras caberá a cada comerciante e os estabelecimentos que descumprirem a norma também estão sujeitos à cassação do alvará de funcionamento.

NA ASSEMBLEIA
Na Assembleia Legislativa de Sergipe tramita um projeto que visa tornar obrigatório o uso da máscara em todo o Estado de Sergipe. A deputada Goretti Reis (PSD) informou que já protocolou um projeto de lei neste sentido. “Isso independente dos locais para onde precisem ir, a exemplo de padarias, mercearias, feiras e supermercados, para que quem estiver contaminado não venha a contaminar outras pessoas. Essa obrigatoriedade vai ajudar muito. A Bahia aprovou ontem [semana passada] e eu espero contar com o apoio dos colegas para que possamos evitar a necessidade da utilização de unidades de tratamento intensivo (UTIs)”, enfatiza.

RECOMENDAÇÃO
O Governo do Estado, por meio do decreto nº 40.576, do último dia 16 de abril, já havia recomendado o uso de máscaras pela população em geral, nos casos de circulação em áreas públicas e de uso comum em Sergipe. O isolamento social e a higienização frequente das mãos com água e sabão, ou álcool gel a 70%, dentre outros cuidados, também estão recomendados, desde então. Segundo o governador Belivaldo Chagas, as máscaras devem ser usadas por aqueles que, inevitavelmente, precisem sair de casa para trabalhar, circular em vias públicas, usar o transporte coletivo, ir ao supermercado ou farmácia. “Nós determinamos o uso de máscaras para os profissionais dos tipos de comércios que foram autorizados a abrir a partir do decreto. E recomendamos o uso de máscaras de tecido pela população sergipana”, ressaltou Belivaldo.

BARREIRA CONTRA O VÍRUS
De acordo com a infectologista e coordenadora do Núcleo de Epidemiologia, Segurança do Paciente e Infecção Hospitalar (NESPIH), do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), Iza Fraga Lobo, assim como o isolamento social, o uso de máscara representa uma forma de barreira para evitar a propagação do vírus. Para a especialista, a alternativa é importante para aquelas pessoas que precisam sair de casa por alguma necessidade. “A máscara de tecido é para uso individual e lavável.

Ela é para aquelas pessoas que estão em casa e que precisam sair para resolver alguma necessidade na rua ou para aqueles trabalhadores que não estão na frente da assistência ao paciente. Ela deve ser confeccionada na medida correta cobrindo boca e nariz, além de proteger a lateral do rosto. É importante ter mais de uma máscara para uso diário e ser trocada quando necessário.

A lavagem deve ser com água e sabão deixando cerca de 30 minutos de molho, os tecidos devem ser leves para facilitar a respiração e deixar a pessoa de forma confortável, por isso o aconselhável são tecidos de algodão, TNT ou tricoline. Essa é uma ideia de baixo custo e que ajuda na proteção contra o coronavírus durante a pandemia”, frisou a médica. O Ministério da Saúde (MS) também recomenda à população o uso do modelo confeccionado com tecido, deixando a prioridade das máscaras cirúrgicas e de maior proteção, como a N95, para uso do profissional de saúde e sintomáticos do coronavírus.