14/02/2018 às 16h31 - Turismo

Cidades históricas abrigam cultura

Distantes do mar e do ‘Velho Chico’, mas próximos da capital, Laranjeiras e São Cristóvão são as versões históricas do turismo de Sergipe.

Distantes do mar e do rio São Francisco, mas próximos da capital Aracaju, os municípios de Laranjeiras e São Cristóvão são as versões históricas do turismo de Sergipe. Se o litoral do menor estado brasileiro não é tão verde como dos vizinhos nordestinos, essas duas cidades souberam preservar seu passado histórico em forma de praças, igrejas e museus. 

 

Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a cidade de Laranjeiras, distante 20 quilômetros da capital sergipana, parece querer nos contar uma história a cada ladeira vencida. Toda a cidade é um poço de história e cultura, que inclusive, já serviu de cenário do filme ‘Orquestra dos Meninos’ (2008) e de produções televisas como ‘Teresa Batista’ e ‘Tieta’.

 

Foto: Blog Matraqueando

 

Esse destino foi a cidade sergipana mais importante do período imperial, onde nasceu a primeira Alfândega de Sergipe, em 1836, e viu a indústria da cana-de-açúcar ser sua principal fonte de renda. Maior produtor de açúcar cristal do estado, o que na época lhe garantiu um alto nível de desenvolvimento econômico, atraindo comerciantes, profissionais liberais e intelectuais, Laranjeiras chegou a receber, em 1860, uma comitiva europeia que incluía ninguém menos do que o imperador Dom Pedro II e sua esposa Teresa Cristina.

 

No município, um dos prédios que mais se destacam é o belo Quarteirão dos Trapiches, onde funcionam os cursos de Arqueologia, Arquitetura, Dança, Teatro e Museologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). De estilo barroco, seu interior guarda as ruínas do antigo trapiche do rio Cotinguiba, onde é possível ver as palmeiras que teriam sido plantadas por Dom Pedro II.

 

A Praça da Matriz, também é outro ponto turístico da cidade que precisa ser visitado. O local abriga a imponente Igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus, erguida na segunda metade do século 18 como a primeira a ser dedicada ao Sagrado Coração de Jesus no Brasil. Conhecida como a Igreja dos Brancos por sua estrutura suntuosa, a Matriz tem como destaque um órgão alemão que, dizem, é um dos quatro existentes do Brasil, e é manuseado, atualmente, por apenas duas pessoas.

 

Bem perto da igreja estão museus como o Museu de Arte Sacra, o segundo mais importante de Sergipe, cujo acervo abriga imagens religiosas, mobiliários e alfaias; e o Afro-Brasileiro, museu que retrata as influências africanas em Sergipe, com peças da época do cultivo da cana, da escravatura, utensílios domésticos e referências às manifestações dos negros da época.

 

São Cristóvão

 

Foto: Jadilson Simões/ Equipe JC
Municípios de Sergipe como São Cristóvão e Laranjeiras são o berço da cultura popular e abrigam belíssimos museus que guardam a história de Sergipe e do Brasil Império


A cidade fundada em 1590 encanta os visitantes com um rico conjunto arquitetônico colonial em seu Centro Histórico. Primeira capital do estado, ganhou em 2010 um título de peso: a Praça São Francisco foi eleita Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

 

Comece o passeio por ela, endereço do Museu de Arte Sacra, no mesmo conjunto do Convento e Igreja de São Francisco, com mais de 500 peças dos séculos 17 a 20, do Museu Histórico de Sergipe, e da Igreja de Santa Isabel e Congregação Irmãs Missionárias Lar Imaculada Conceição, de 1607, onde são vendidos os bricelets, tradicionais biscoitos produzidos pelas religiosas.

 

Em seguida, vá até a Praça da Matriz e visite a Igreja Nossa Senhora da Vitória (1608). Para fazer o passeio com uma agência, em Aracaju tem agências que oferecem pacotes. O Museu de Arte Sacra está aberto de terça a domingo, das 10h às 16h. O Museu Histórico de Sergipe funciona de terça a domingo, das 10h às 16h. Telefone: (79) 3261-1435.

Comentários

comments powered by Disqus