17/04/2020 as 10:15

PLEITO 2020

“Juca” defende que o MDB local apresente nomes viáveis

uca afirma que irá incentivar aos empresários Osvaldo Miranda e Marcos Franco a ingressarem na política estadual disputando uma cadeira proporcional ou majoritária

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

SEMPRE LEMBRADOS 1 O ex-prefeito de Laranjeiras, José Araújo, o “Juca”, defende que o MDB local apresente nomes viáveis para o pleito de 2020. Segundo ele, o partido tem “excelentes nomes para participarem da política tanto local como estadual”. Juca afirma que irá incentivar aos empresários Osvaldo Miranda e Marcos Franco a ingressarem na política estadual disputando uma cadeira proporcional ou majoritária.

SEMPRE LEMBRADOS 2 “São nomes com trajetória de trabalho e contribuição importante ao desenvolvimento de Sergipe, gerando renda, impostos e empregos. Chegou o momento de contribuírem mais também na política. Laranjeiras, com esses nomes, tem tudo para recuperar seu patrimônio de importância nas decisões do nosso Estado”, frisou Juca, que já foi escolhido pelo agrupamento como pré-candidato a prefeito.

MUITO ATINGIDO O setor de transporte público vem sofrendo os reflexos da crise gerada pela pandemia do coronavírus. O período de quarentena já apresenta uma queda de 74,37% do número de passageiros no transporte coletivo de Aracaju e da região metropolitana. De 23 de março a 13 de abril deste ano circularam 964.716 pessoas no transporte. Neste mesmo período em 2019, foram 3.763.939. O setor está operando com uma grande queda de demanda de pagantes, enquanto que a prestação do serviço não foi reduzida na mesma proporção. A conta não está fechando, nem mesmo as principais despesas estão sendo cobertas.

PERDAS GRANDES Em 20 dias de isolamento social, o setor já perdeu R$ 10,3 milhões de receita. Custos essenciais como pessoal e combustível representam em média 68% da despesa total do sistema. É preciso que, assim como está sendo feito em outros locais, Aracaju e Sergipe tenham políticas públicas de reforço ao sistema de transporte, tanto para garantir sua sustentabilidade durante e no pós-quarentena, bem como favorecer aos trabalhadores desse setor, que estão na linha de frente junto com outros profissionais também indispensáveis no momento. Do que jeito que vai, não sabemos até quando teremos transporte coletivo.