15/05/2018 as 09:11

Oposição

Boulos diz que não vai querer aliança e MDB será oposição

Em SE, presidenciável afirma que não quer partido que troca voto por cargo.


Durante a passagem por Sergipe, Guilherme Boulos (Psol), pré-candidato à Presidência da República, assegurou que irá governar para a maioria do país. Em entrevista para o programa “Jornal da Fan”, o presidenciável disse: “Nós queremos, pela primeira vez nesses 30 anos, botar o MDB na oposição. Nós não queremos governar com partido fisiológico que troca voto por cargo”.


                                      

Segundo Boulos, a iniciativa do Psol é governar com a maioria do povo brasileiro e, dessa maneira, a aliança partidária já começa a ser trabalhada. “Nós estamos fazendo de forma mais ampla, é uma aliança com movimentos sociais, com trabalhadores, com sem teto, com indígena, com movimento de mulheres, com movimento negro, com movimento de comunicação. A aliança que nós estamos fazendo vem de baixo para cima”, explicou.

Guilherme Boulous explanou, inclusive, como o partido vê a situação política do país e como pretende mudar o cenário. “Nós não podemos mais governar no Brasil apenas formando maioria parlamentar. Nós temos que pactuar com a sociedade. Trazer o povo para o centro do jogo e não apenas parlamentares”, registrou.

Ainda de acordo com Boulos, o que precisa ser feito é reduzir o poder dos políticos e aumentar o poder das pessoas. “Democracia não pode ser só ir lá a cada quatro anos apertar um botão e depois mais nada. O povo tem que ser chamado a decidir de maneira permanente, com plebiscito, referendo. O povo tem que ser escutado, voto não é cheque em branco”, falou.

Ocupação na Coroa do Meio
Guilherme Boulos aproveitou para opinar sobre as medidas adotadas pela Prefeitura de Aracaju referente à ocupação denominada “Marielle e Anderson”, no terreno localizado no Bairro Coroa do Meio. “Nós ficamos muito preocupados com a forma de como essa ocupação foi tratada pelo poder público em Aracaju. Ocupação não é caso de polícia, é caso de política pública de moradia. Não se resolve isso atirando, jogando polícia e reprimindo”, pontuou.

No decorrer do dia de ontem, inclusive, o pré-candidato chegou a ir até o galpão onde estão alojadas as pessoas do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). “Tem que ter uma alternativa para essas famílias. Estamos cobrando isso tanto da prefeitura quanto ao governo”, acrescentou – veja reportagem do JC na página B1.


Logo após, o movimento chegou a fazer um protesto embaixo do viaduto do DIA. Conforme a equipe do JORNAL DA CIDADE acompanhou, a manifestação se dirigiu até a sede da prefeitura – a iniciativa foi dialogar com prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB).

Agenda
Durante a passagem por Sergipe, mais precisamente na capital, além de integrar o MSTS, Guilherme Boulos participou do ato dos trabalhadores da Fafen, do ato de entrega de documento da associação do semiárido, conversou com a juventude, artistas e juristas. No final da noite de ontem, o pré-candidato lançou a frente sergipana antifascista na Universidade Federal de Sergipe.