09/07/2018 as 08:59

Entrevista

Luciano Bispo: “Marcelo Déda defendia a unidade. Basta lembrar disso e teremos juízo”

Presidente da Alese fez um balanço dos trabalhos da casa, falou sobre a realização do concurso público e confirmou que haverá convocações em breve.


Luciano Bispo: “Marcelo Déda defendia a unidade. Basta lembrar disso e teremos juízo”Foto: Jadilson Simões/Alese

A Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) concluiu mais um semestre de trabalhos e o JORNAL DA CIDADE bateu um papo com o presidente da casa, deputado estadual Luciano Bispo. Ele fez um balanço dos trabalhos da casa, falou sobre a realização do concurso público e confirmou que haverá convocações em breve. O deputado também falou sobre política e deixou claro que a escolha do vice na chapa que disputará o governo pela base aliada caberá a Belivaldo Chagas. Ele negou qualquer desentendimento entre o PT e o PMDB e avalia que seu grupo sairá vitorioso nas próximas eleições.

Confira a entrevista completa:

JORNAL DA CIDADE - Como o senhor avalia a atuação da Assembleia no primeiro semestre do último ano da atual legislatura?

LUCIANO BISPO - Nós temos, e isso é reconhecido pela sociedade sergipana, desde 2015, uma nova Assembleia Legislativa. E isso graças ao trabalho de todos os deputados estaduais. A Casa tem sido muito participativa, os sergipanos estão acompanhando de perto todas as ações e isso é extremamente positivo.

JC - A pauta da Assembleia esteve excessivamente alinhada às demandas do governo?

LB - Alinhada excessivamente? Não! A Assembleia está cumprindo o seu papel institucional de ajudar a governar o Estado de Sergipe. Hoje os deputados discutem as questões de interesse dos sergipanos e quando vamos votar os projetos, do Executivo, ou do Judiciário, fazemos com transparência. E isso é muito bom para todos.

JC - Por que mais uma vez vários projetos importantes são enviados pelo governo nos últimos dias de funcionamento da Alese?

LB - Não existe isso. Os Poderes, Executivo e Judiciário, têm suas ações geradas a cada instante e é na Assembleia Legislativa que as coisas precisam ser analisadas e aprovadas, ou rejeitadas. Durante todo o semestre nós votamos inúmeros projetos, e isso também ocorreu no mês de julho, e irá acontecer em agosto, setembro, enfim, durante todo o ano.

JC - Os deputados estaduais ainda gozam de 90 dias de férias. O senhor acha que já é hora de isso ser alterado?

LB - Acho engraçado quando no período do recesso, no plenário, essa questão sempre é levantada. Você acha que os deputados estaduais tiram férias? Que nós viajamos nesse período para descansar? Então eu convido você a ficar conosco durante esse período, para ver onde nós andamos. Aliás, hoje é fácil saber o que nós fazemos, basta nos acompanhar em nossas redes sociais para ver a movimentação. Não existe isso! Nós trabalhamos, e trabalhamos muito durante todo o tempo.

JC - Qual o balanço do concurso da Alese? Quando os candidatos devem ser chamados? A previsão de convocação acima do número de vagas previstas?

LB - O concurso foi muito positivo. Quase 45 mil pessoas inscritas e 96 aprovados. O primeiro da história da Assembleia de Sergipe e isso, particularmente, me deixou muito feliz, pois onde tenho passado essa é uma marca registrada. Veja Itabaiana: 90% dos servidores concursados na prefeitura fizeram os concursos nas minhas gestões. Sobre a convocação, ainda teremos a prova prática para os taquígrafos e depois iremos seguir as etapas até a convocação.

JC - Como o senhor avalia o desfecho do caso das subvenções da Alese no TSE?

LB - Quando nós chegamos na Assembleia, em 2015, encontramos essa situação, que já estava na esfera do Poder Judiciário e o tempo todo, quando éramos abordados sobre o assunto, a nossa resposta sempre foi que devemos respeitar a decisão judicial. Hoje, o TSE, que é a última Instância na esfera eleitoral, decidiu. Então, continuo dizendo a mesma coisa: eu respeito a decisão judicial.

JC - O nome do senhor continua cotadíssimo para ser o vice de Belivaldo na chapa. O senhor recebeu convite ou conversou sobre isso com Belivaldo? Se for convidado, toparia?

LB - O nosso agrupamento, que graças ao povo sergipano, tem sido reconhecido pelas obras e ações que estão sendo realizados nos últimos anos. E eu não vou esconder os problemas, como o pagamento dos salários dos servidores públicos, e que agora Belivaldo está regularizando, por conta dos ajustes que estão sendo feitos. Tem excelentes nomes para composição de toda a chapa majoritária e sobre o nome para vice-governador será definido no tempo certo pelo governador Belivaldo!

JC - Como político experiente, o senhor acha que esta eleição será diferente, como alguns avaliam?

LB - Toda eleição é diferente uma da outra, e é claro que estamos vivendo um momento onde as pessoas não estão querendo ir às urnas. Isso é preocupante, porque quando o cidadão não vai votar, ele se afasta de uma decisão muito importante para a própria vida dele e da família. Eu entendo que esse é o principal desafio da classe política responsável, convencer o eleitor para votar!

JC - Acredita que a base governista consegue reeleger Belivaldo e eleger os dois senadores? Ou isso é difícil?

LB - Eu acredito sim na vitória do nosso agrupamento. Claro que eu respeito os adversários. Nós temos nomes com muita história em Sergipe e temos o que mostrar aos sergipanos e vamos às ruas conversar com nossos irmãos, em quem confiamos que saberão escolher o melhor para governar nosso Estado, que vem dando certo, basta ver as obras e ações que estamos realizando.

JC - Há divisão na base governista? Lideranças do MDB vão votar nas lideranças do PT e vice-versa?

LB - Não há divisão coisa nenhuma. Todos os partidos que compõem a base do nosso agrupamento estão unidos e os sergipanos irão comprovar isso quando o jogo começar. O que existe, e que é natural, é a busca por espaços, o resto é apenas fofoca e intriga daqueles que querem desestabilizar. Mas já vou avisando: não irão conseguir.

JC - O que acha da insistência do PT em disputar em uma “chapinha”?

LB - Todo partido tem legitimidade para discutir internamente. O PT, o MDB e todos os aliados estão fazendo isso. O que há de errado? Nada. Quando sentarmos para oficializar as alianças teremos responsabilidade para garantirmos a nossa vitória. Eu vou me basear naquilo que Marcelo Déda sempre defendeu: a unidade do agrupamento. Basta lembrar disso e teremos juízo.

JC - Não poderíamos encerrar sem falar sobre a política de Itabaiana. Como o senhor está avaliando o município, depois do rompimento do prefeito com os Teles de Mendonça?

LB - Sobre isso eu só tenho a lhe dizer uma coisa, eu nunca fiz trairagem com ninguém, e sempre agi na política fazendo o bem para as pessoas, nunca usei da maldade, nem nunca desejei destruir ninguém. Essa política do ódio, da perseguição, da inveja, eu sempre combati, quem me conhece sabe que estou falando a verdade. Eu sou do bem!

Max Augusto/Equipe JC