11/07/2018 as 10:16

Política

Governo não cumpriu 24 dos 61 compromissos de campanha

Levantamento foi realizado com base no plano registrado no TRE.


Governo não cumpriu 24 dos 61 compromissos de campanhaFoto: André Moreira/Equipe JC

Nesse final de mandato, faltando pouco menos de seis meses, a gestão do Governo de Sergipe, comandada atualmente por Belivaldo Chagas (PSD), falta cumprir 24 das 61 promessas feitas durante a campanha eleitoral, conforme registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A apuração do que vem sendo feito e o que ainda falta fazer foi elaborado pelo portal G1 Sergipe.

O levantamento feito pelo portal analisou as áreas de promessas na administração, corrupção, direitos humanos e sociais, economia, educação e cultura, esporte, habitação, infraestrutura, meio ambiente, saúde, segurança pública e turismo. De acordo com o conteúdo, apesar dos índices de violência apontarem uma situação crítica, a gestão tem priorizado cumprir as promessas da segurança pública – dos 12 projetos, apenas três ainda não foram cumpridos.

Na plataforma de governo, segundo registro da campanha no TSE, a gestão ainda deve realizar: a criação de um fórum permanente de combate à violência, implantar o instituto de análise de pesquisa forense da coordenadoria geral de perícia e criar o grupamento tático aéreo no interior.

Educação e cultura

Assim como a segurança pública, a gestão prometeu dar uma atenção maior para educação e cultura. Foram 17 projetos, mas até agora sete foram cumpridos, seis estão pela metade e quatro ainda não foram cumpridos.

Faltam ainda cumprir: alfabetizar todos os estudantes até os oito anos de idade, aumentar taxa de aprovação nos anos finais do ensino fundamental até 2018, aumentar taxa de aprovação nos anos iniciais do ensino fundamental até 2018 e criar o instituto de educação profissional e tecnológica de Sergipe.

Esporte e habitação

O prometido para o esporte foi: implantar um plano administrativo de políticas para o esporte – nada foi feito, até agora. Na habitação, o cumprimento vem sendo “em parte” – construir 20 mil moradias populares.

Infraestrutura

Além disso, as promessas da campanha registram ainda a infraestrutura – onde dos sete apenas dois foram executados. Inclusive, o programa registrado no TSE apontou: ampliar sistema de saneamento básico em Lagarto e Riachão, construir uma ponte no Município de Brejo Grande, construir a ponte do bairro Coroa do Meio em Aracaju, criar um programa de melhoria da iluminação em rodovias estaduais e construir uma ponte sobre Rio Jabiberi em Tobias Barreto. Nenhum realizado, até agora.

Inclusive, durante o andamento da gestão ainda ocorreu o comprometimento com a melhoria na malha asfáltica das rodovias. O JC vem acompanhando o desenrolar do Finisa e, o mais recente, o projeto pedindo aos deputados autorização para operação de crédito junto ao Banco do Brasil – com previsão para votação no segundo semestre.

Na Saúde, dos seis projetos só um concluído

Até agora, nesse final do mandato, a atual gestão do Governo de Sergipe está com o hospital do câncer só no papel das promessas de campanha registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O levantamento feito pelo portal G1 Sergipe apontou que na área da saúde, além do HC, dos seis projetos, apenas um foi cumprido.

De acordo com o registro do portal, a promessa de construção do hospital do câncer ainda não foi cumprida. “A primeira empresa abandonou a obra, que era um consórcio. Por conta disso, o Estado determinou uma nova licitação, que está em fase de conclusão pela Secretaria de Estado da Infraestrutura e do Desenvolvimento Urbano (Seinfra)”, publicaram.

Além do hospital, a gestão também ainda não cumpriu: ampliar número de leitos infantis nos hospitais regionais, implantar centros de diagnósticos regionais e implantar um centro de atendimento de crianças com necessidades especiais.

Direitos humanos e sociais

Na área de direitos humanos e sociais, das cinco promessas só uma foi cumprida: ampliar o programa “Mão Amiga”. Portanto, faltando ainda regionalizar os serviços dos Centros de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), criar um indicador de vulnerabilidade social, ampliar o serviço para pessoas com dependência química e ampliar distribuição de leite para pessoas carentes por meio do programa social.

Economia

Outro ponto que chama atenção no levantamento foi a promessa na área da economia. A atual gestão só executou uma parte da promessa de “implementar complexos empresariais integrados em todos os territórios de desenvolvimento”.

Redação Jornal da Cidade