12/09/2018 as 08:24

Eleições 2018

Candidatos apresentam propostas para o meio ambiente

Emerson, Márcio e Mendonça dedicaram espaço ao tema nos seus planos de governo.


Candidatos apresentam propostas para o meio ambienteFoto: Acrisio Siqueira

A ONG WWF-Brasil encomendou uma pesquisa do Ibope Inteligência para saber se o brasileiro pensa sobre as áreas protegidas do país e o meio ambiente e concluiu que a população valoriza todos os cuidados. Na edição de hoje, assim como ocorreu ontem, o JORNAL DA CIDADE irá dar continuidade às propostas de políticas públicas de meio ambiente dos candidatos Dr. Emerson (Rede), Gilvani Santos (PSTU), Márcio Souza (Psol), Mendonça Prado (DEM) e Milton Andrade (PMN).


Segundo a pesquisa, nove entre dez brasileiros acreditam que o meio ambiente não está sendo protegido de forma adequada. Dessa maneira, o JC buscou nos planos de governo dos cinco candidatos o que pretendem fazer na próxima gestão – 2019 a 2022.

Dr. Emerson:
gestão pública ambiental
De acordo com a proposta de Dr. Emerson (Rede), o objetivo geral é “promover uma gestão pública ambiental que concilie o desenvolvimento econômico, humano e social com a preservação do meio ambiente, por meio da promoção de políticas públicas participativas e articuladas com os diversos setores de governo e da sociedade”.
No material do candidato Dr. Emerson, exposto no sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há o detalhamento do que deverá ser feito na área de meio ambiente em Sergipe, como, por exemplo, o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), que incentiva o proprietário rural que cumpre seu papel de conservação da natureza com o objetivo de proteger as áreas de preservação permanente e reserva legal em suas propriedades, implementação do ICMS Ecológico.
Além disso, Dr. Emerson assegurou no plano que pretende criar um Centro de Triagem de Animais Silvestres, onde atualmente funciona o Zoológico do Parque da Cidade, em articulação com projetos de educação ambiental na promoção do respeito à fauna silvestre e urbana; Secretaria Especial de Defesa Animal, vinculada à Secretaria de Meio Ambiente; e o Parque Intermunicipal do Rio Poxim, na zona metropolitana.

Gilvani Santos:
chamado à rebelião
Ainda no portal do TSE, a candidata Gilvani Santos destacou no plano de governo: “É preciso dar um basta. Nessas eleições, o PSTU faz um chamado à rebelião”. Segundo o material apresentado, os “trabalhadores e trabalhadoras precisam governar Sergipe”.
A equipe de reportagem do JC analisou o plano da candidata e não encontrou um tópico específico para o meio ambiente. Porém, Gilvani frisou no material que o território possui uma “quantidade de recurso que pode proporcionar aos trabalhadores e trabalhadoras sergipanos o atendimento de suas necessidades de forma plena. Nosso solo é capaz de prover variadas culturas, temos volumosas reservas de gás e petróleo, calcário, sais de potássio e principalmente a capacidade dos trabalhadores de mover tudo isso”.

Márcio Souza:
defesa do ambiente
Sobre o meio ambiente, o candidato Márcio Souza acredita que realizar espaços temáticos e intersetoriais nos territórios, fortalecendo as conferências, conselhos ou planos estaduais por áreas (inclui meio ambiente) como um poder deliberativo sobre políticas públicas e uso do orçamento. Nas suas propostas nesse setor, pretende promover a manutenção da rede de água para diminuição das perdas na rede e a coleta de tratamento de esgoto para melhorar a qualidade dos corpos hídricos “através do financiamento do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro) para concessionárias de saneamento”.
Márcio Souza também propõe garantir que municípios tenham regularidade e qualidade da coleta seletiva e que priorizarem parcerias com cooperativas para gradativamente eliminarem os lixões; manter os parques com gestão pública e participação popular; financiar a agricultura orgânica e agroecológica através da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati).
Segundo Márcio, também é preciso estabelecer metas. “Zero desmatamento através da Secretaria de Meio Ambiente (SMA) e promover a regularização fundiária de todas as comunidades tradicionais e acampamentos e também na zona urbana”, pontuou no plano de governo.

Mendonça Prado:
energias limpas
Já o candidato Mendonça Prado conceituou e detalhou a situação do meio ambiente em Sergipe e, com base nessa análise, enumerou suas propostas. O JC pegou algumas que, ao lance inicial, merecem destaque, como estimular o controle social na gestão da política ambiental; fomentar a utilização de energias limpas (eólicas, solar) por parte da iniciativa privada e órgãos públicos; estimular ações de revitalização da Bacia do Rio São Francisco; apoiar e incentivar o reflorestamento de áreas degradadas em parceria com os municípios e órgãos federais; apoiar e incentivar os produtores rurais para práticas de conservação do meio ambiente (como preservação de fontes e mata ciliar).
Para Mendonça, também é proposto incentivar a utilização de gás veicular e/ou energia elétrica para o transporte coletivo (táxi, ônibus, micro-ônibus, transporte escolar), através de incentivo na redução do IPVA. Além disso, destaca: conceder incentivos para atração de indústrias de equipamentos voltados para a geração e uso de energias renováveis.

Milton Andrade:
agricultura
Assim como Gilvani Santos, o candidato Milton Andrade não colocou um tópico específico para o meio ambiente. Contudo, no seu plano de governo inseriu algo próximo da questão ambiental no item referente à agricultura (no eixo “empreender para crescer”). No material, ele registrou “buscando atender às reivindicações do povo sergipano, sem prejuízo de outros temas relevantes, distribuímos o trabalho neste eixo, em cinco frentes de trabalho: educação e cultura; esporte e lazer; habitação; saúde; segurança”.
Vale lembrar que nove candidatos pediram o registro de candidatura, porém João Tarantella (PSL) teve o recurso indeferido. Ou seja, ficando “de fora” do pleito até o momento, pois a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) cabe recurso. Todavia, diante da situação atual, a equipe de reportagem não inseriu o plano de governo dele como referência para elaboração desta matéria.