24/09/2018 as 09:07

Entrevista

Alessandro Vieira: “Enfrentamos campanhas milionárias”

Candidato ao Senado pela Rede Sustentabilidade, o delegado Alessandro Vieira surpreende e vem atingindo bons resultados nas pesquisas eleitorais divulgadas recentemente


Por Max Augusto

Candidato ao Senado pela Rede Sustentabilidade, o delegado Alessandro Vieira surpreende e vem atingindo bons resultados nas pesquisas eleitorais divulgadas recentemente. Ele avalia tal desempenho como histórico, por estar competindo com políticos tradicionais e com campanhas mais caras. Conhecido pela sua atuação na polícia, ele vem afirmando que o foco do seu trabalho no Senado seria o combate à corrupção. Ele avalia ainda que a casa legislativa terá papel importante na recuperação do país. Confira abaixo: 

                                        

w JORNAL DA CIDADE - Como está a sua campanha? Acha que sua eleição é possível?
ALESSANDRO VIEIRA - A campanha vem crescendo muito, na capital e no interior. Os números das diversas pesquisas mostram que a vitória é possível, mesmo enfrentando campanhas milionárias.

w JC - Como avalia o resultado das últimas pesquisas para o Senado? Elas refletem a realidade?
AV - As pesquisas apontam, na sua maioria, um empate na disputa pela segunda vaga. Esses resultados casam com o que se vê nas ruas. As pessoas estão acreditando no delegado Alessandro como o único que pode enfrentar e vencer a velha política.

w JC - Qual a avaliação que o senhor faz das candidaturas ao Senado que vêm encabeçando as pesquisas?
AV - São candidaturas que não correspondem ao desejo de renovação e moralização. Valadares com 24 anos de senado não é renovação de nada. Jackson Barreto foi o pior governador da história de Sergipe. André Moura, líder do governo criminoso de Michel Temer, é um campeão de processos na Justiça. O ex-pastor Heleno é um réu condenado na máfia das sanguessugas. Rogério Carvalho é o pai do caos na saúde, criado pela Fundação Hospitalar, e também é condenado por improbidade. Figuras com este perfil não vão mudar a política brasileira. Precisamos de gente nova, com a vida limpa, ocupando os espaços.

w JC - A população quer mesmo mudança? Parece que esse sentimento já passou, pelo que mostram as pesquisas...
AV - Sim, a população quer mudança. A grande dificuldade está em mostrar que existem alternativas viáveis para ocupar os cargos. São campanhas milionárias tentando empurrar os mesmos nomes de sempre. O nosso crescimento está acontecendo porque conseguimos levar a mensagem para um grande número de pessoas, graças ao trabalho dos voluntários.

w JC - Quais as suas principais propostas para o Senado?
AV - A base está no enfrentamento à corrupção. É preciso superar isto para atender às necessidades dos cidadãos. Temos propostas para as áreas de Segurança, Educação, Saúde e Emprego, além das reformas estruturais que o Brasil exige, como as reformas tributária, política, previdenciária e da gestão pública.

w JC - A que o senhor atribuiu sua boa pontuação nas pesquisas?
AV - A nossa candidatura está fazendo história em Sergipe. Nunca um candidato sem recursos financeiros e sem padrinhos políticos conseguiu enfrentar o sistema da velha política. O reconhecimento desta coragem, além da trajetória como delegado de Polícia, vem convencendo as pessoas de que é possível mudar e que a hora é agora.

w JC - Qual será o papel do Senado frente ao próximo presidente, tendo em vista o atual cenário político e econômico?
AV - O Senado terá um papel fundamental no resgate do Brasil, através do diálogo e da defesa dos projetos que verdadeiramente atendam às necessidades dos brasileiros.

w JC - E a situação de Sergipe? O próximo governador tem como melhorar a situação financeira? Pagar servidores e fornecedores em dia, dar aumento a servidores...?
AV - Sim. É preciso um trabalho urgente de auditoria. Identificar e cortar os privilégios, os contratos superfaturados e os cargos comissionados inúteis. Reduzir o número de secretarias e focar os recursos nas áreas mais relevantes, como saúde, segurança e educação. Vários estados já mostraram que isto é possível. Só depende de competência e vontade política.

w JC - E como os senadores eleitos podem ajudar nisso?
AV - Os senadores podem ajudar interferindo no orçamento e através de emendas, mas a principal ajuda está em discutir e aprovar leis que reduzam a carga tributária, estimulem o investimento e reformulem o pacto federativo, para garantir mais recursos para estados e municípios.