08/11/2018 as 07:54

Desvio

Prefeito de Itabaiana é preso em operação da polícia e MP

Esquema envolvendo o gestor teria gerado o desvio de R$ 6 milhões.


Prefeito de Itabaiana é preso em operação da polícia e MPfoto: Divulgação

Ontem, o Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), da Polícia Civil, em parceria com o Ministério Público de Sergipe (MP), realizou o cumprimento de mandados de prisão e busca e apreensão em Itabaiana. A ação, denominada de “Operação Abate Final”, resultou na prisão do prefeito Valmir de Francisquinho (PR), e do secretário de Agricultura da gestão, Erotildes José de Jesus, assim como de Jamerson da Trindade Mota, Breno Veríssimo Melo de Jesus e Manoel Messias de Souza.


Para detalhar a investigação e prisões, a Secretaria de Segurança Pública realizou ontem uma coletiva com a imprensa. Na oportunidade, estavam presentes os investigadores da operação e os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaecco), do MP, que destacaram os principais motivos que resultaram na constatação da fraude referente à atuação do matadouro de Itabaiana.


Em conversa com o JORNAL DA CIDADE, a promotora Luciana Duarte, do Gaecco, contou que os fatos começaram a ser apurados na Promotoria de Patrimônio Público de Itabaiana, que solicitou a intervenção do grupo especializado e noticiou o crime em relação ao prefeito, “que é detentor de foro por prerrogativa de função. O Tribunal de Justiça autorizou o início das investigações pelo Deotap, como também as medidas cautelares cumpridas na data de hoje [ontem]”, disse.


Segundo a promotora, o esquema de fraude no matadouro funcionava na ausência total de repasse “dos valores pagos pelos marchantes e demais pessoas que se utilizavam da estrutura para os cofres públicos. Ainda não se sabe qual o destino das parcelas desses pagamentos e isso será fruto de apuração no curso do processo de investigação”, pontuou.

Patrimônio público
De acordo com a delegada Thaís Lemos, do Deotap, o início das investigações policiais partiram em razão de uma suposta informalidade na gestão do matadouro municipal. “Estava se cobrando um tributo acima do que é previsto no Código Tributário Nacional. Não cabe a nenhum gestor público cobrar aquilo que não está previsto em lei. Então, a partir do momento em que o gestor municipal cobrava a taxa de R$ 50 ou R$ 60, enquanto que no Código Tributário do Município havia previsão de R$ 10, houve uma cobrança excessiva. A materialidade do crime de excesso de exação está plenamente verificada”, explicou.


Diante disso, a equipe do Deotap observou que havia o recolhimento de dinheiro de forma ilícita. “O matadouro é um setor da Secretaria de Agricultura, administrado pelo secretário, onde fazia todo o controle dos abates e recolhimento de dinheiro. Ele fazia a gestão auxiliado pelo funcionário, que é filho dele e anteriormente feito pelo cunhado do prefeito. Além deles, tinham outras duas pessoas, um ‘laranja’ que usava a conta bancária dele para desviar a origem ilícita também dos bens”, detalhou, acrescentando que um outro procedimento investigativo foi aberto para averiguar a lavagem de dinheiro.

Prisões
Ainda ontem, os cinco envolvidos na operação foram presos. “Em junho já vinha sendo verificado e isso continuou sendo praticado mesmo após a atuação do MP e da Polícia Civil. Então, a prisão preventiva foi decretada como garantia da ordem pública porque esses delitos continuaram sendo praticados e, provavelmente, continuariam a ser caso o prefeito permanecesse solto e chefiando esse esquema”, registrou a promotora Luciana Duarte.


Sobre as prisões, a delegada geral Katarina Feitosa explanou que os dois gestores – tanto o prefeito como o secretário de Itabaiana – têm foro privilegiado. “Ficarão custodiados no Presídio Militar (Presmil) e os demais ficarão custodiados em presídio estadual. O próximo passo a ser dado agora é concluir as investigações, mas garantimos que está praticamente concluída. Temos agora que trabalhar com relação à lavagem de dinheiro. O nosso grande objetivo é que esses recursos desviados dos cofres públicos voltem para as mãos certas, a mão do povo”, concluiu.

Por Mayusane Matsunae/Equipe JC











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.