06/12/2018 as 07:49

Governo

Deputados não receberam a reforma administrativa

Proposta do governador deve ser entregue hoje aos parlamentares da Alese


Deputados não receberam a reforma administrativaFoto: Assessoria

Apesar do governador Belivaldo Chagas (PSD) ter encaminhado os projetos de lei do Governo do Estado para a Assembleia Legislativa de Sergipe, ontem, no período da sessão ordinária, os deputados estaduais ainda não tinham recebido nenhum material para poder analisar e, dessa maneira, elaborar votos ou até emendas. A previsão é de que a votação para o material encaminhado pelo Executivo seja realizada na próxima semana.


De acordo com o deputado Georgeo Passos (Rede), da bancada da oposição, os 11 projetos de lei já estão na Casa Legislativa. “Nenhum foi distribuído. Acredito que vai ser feito tudo amanhã [hoje] para votarmos na semana que vem. Ou seja, vai ser uma correria. A gente vai se adequar, mais uma vez, a esse ato e tentar contribuir com algum projeto que esteja inadequado”, pontuou.


Para o JORNAL DA CIDADE, Georgeo Passos comentou o projeto de lei referente à reforma administrativa. “Não recebemos ainda o projeto com as ações que o governador anunciou fazer. Vamos comentar em cima do que ele anunciou para a imprensa sergipana. Com relação ao corte de cargos de comissão, é algo que a oposição sempre cobrou e muitas vezes o líder do governo [Francisco Gualberto, PT] apontava como uma medida desnecessária”, registrou.


Georgeo Passos entendeu como importante cortar os quase mil cargos de comissão e uma possibilidade de gerar uma economia de R$ 10 milhões. “Mas, se a gente for pegar as reformas administrativas feitas por Marcelo Déda e Jackson Barreto (MDB) no início dos seus governos, dá para perceber que eles tentaram cortar bem mais”, comparou.


Segundo relembrou Georgeo, Déda tentou cortar R$ 620 milhões e Jackson Barreto na faixa de R$ 260 milhões. “Já Belivaldo, contando com R$ 10 milhões. Ou seja, bastante modesta essa conta feita pelo atual governador, mas é um avanço”, criticou. O parlamentar acrescentou ainda que se o projeto vier na linha de corte de gasto, terá o voto favorável. “Mas precisamos saber se vai ter prejuízos para os servidores efetivos”, afirmou.


Sobre os projetos do Executivo, o deputado Francisco Gualberto (PT) preferiu não comentar com a equipe de reportagem do JC sem estar com o conteúdo em mãos.

Por Mayusane Matsunae/Equipe JC