06/05/2019 as 07:52

Disputa eleitoral

“Não acredito em isolamento, nós vamos buscar alianças”, diz Rogério

Ainda assim, senador afirmou que alianças não são garantia de vitória


“Não acredito em isolamento, nós vamos buscar alianças”, diz RogérioFoto: Viola Jr

Em conversa com a equipe do JORNAL DA CIDADE, o presidente licenciado do PT, Rogério Carvalho, disse que não acredita em um isolamento do partido, na próxima eleição municipal em Aracaju. “Vamos buscar alianças”, falou. Rogério se referiu à afirmação do ex-governador Jackson Barreto (MDB), que em entrevista afirmou, em alusão ao PT: “Quem faz política de isolamento vai terminar isolado”.


Rogério também considerou que quando se fala em isolamento é preciso analisar que isso é coisa do passado. “Eleição hoje é coisa diferente. Não viram o resultado da última eleição? Ou estão achando que 2018 foi um fenômeno isolado? André [Moura] tinha 67 prefeitos e Alessandro [Vieira] não tinha nenhum. Então, que história é essa de isolamento?”, questionou o senador, referindo-se à última disputa por duas vagas no Senado, por Sergipe.


O petista ainda ressaltou que seu partido ganhou a eleição no Estado – referindo-se à votação na corrida presidencial, quando Haddad foi mais lembrado que Bolsonaro, na capital sergipana. “Não acredito que as pessoas votem guiadas por lideranças. Uma parte sim, mas a maior parte não. Aliança sempre agrega votos, mas não é garantia de vitória, não é sinônimo de ganhar eleição”, asseverou Carvalho.

Sem lealdade
Questionado pelo JC se o Partido dos Trabalhadores toparia partir para uma eleição fratricida, contra aliados históricos, Rogério Carvalho deixou claro que o PT ainda não definiu seu rumo para a eleição do próximo ano, mas fustigou: “Já enfrentamos eleições fratricidas em 2018, se você analisar. Afinal, quem votou em Rogério em 2018? Alguns aliados apoiaram, outros não. Alguns foram leais do começo ao fim, o PSD foi leal. Agora os outros, qual foi a lealdade?”, inquiriu o senador petista.


Por fim, o senador analisou que vai importar mesmo para a próxima disputa eleitoral o sentimento da população, o que a população irá querer para o país. “Mais do que qualquer outro benefício, nada substitui ter emprego e renda, isso dá dignidade, liberdade, condição de viver em paz. E o povo brasileiro não está vendo perspectiva de dignidade e renda com o governo que não foi a maior parte dos sergipanos que colocou lá. Alguns sergipanos são responsáveis por esse governo que está aí, e esses vão ter que responder na eleição”, concluiu.