13/05/2019 as 08:01

Entrevista Janier Mota

“Sugerimos ao governador que dê algum incentivo fiscal às empresas que aumentarem quadro de pessoal”

Após a expertise de vice-prefeita em Itabaianinha na gestão de 2016, a deputada estadual Janier Mota inicia o primeiro mandato na Assembleia Legislativa com atuação voltada principalmente à região Sul e Sertão Sergipano. Sobre a gestão de Belivaldo Chagas (PSD), a parlamentar acredita no perfil do governador e compreende o período crítico que o Estado vive. Inclusive, na questão do cenário de crise financeira Janier conta para o JORNAL DA CIDADE que apresentou indicação na Assembleia com uma sugestão de incentivo fiscal às empresas que aumentarem o quadro de pessoal. “Essa é apenas uma das alternativas que podem auxiliar o setor empresarial a continuar gerando emprego e renda”, defende. Confira o conteúdo completo:


“Sugerimos ao governador que dê algum incentivo fiscal às empresas que aumentarem quadro de pessoal”Foto: Divulgação

JORNAL DA CIDADE - Como está sendo a experiência no mandato?
JANIER MOTA - Encontrei na política uma forma de ajudar as pessoas, entrei num cenário político caótico, mas quando assumi o cargo de vice-prefeita de Itabaianinha já tinha percebido que é possível fazer coisas boas em prol das pessoas. Por isso me senti motivada a pleitear o cargo de deputada estadual, que está sendo como imaginei: muito trabalho, mas, ao mesmo tempo, muitas possibilidades de continuar auxiliando o povo do meu querido Estado. Me sinto grata pela confiança depositada em mim, pelos 25.731 votos que tive para lutar por mais dignidade e melhorias para o nosso Estado.

JC - Quais a principais bandeiras que vem levantando na Assembleia? Já existem projetos? Quais são?
JM - O meu mandato está sendo pautado através das principais necessidades do povo, caminhei muito pelos quatro cantos do Estado durante as eleições e vi de perto a necessidade de todas as regiões sergipanas, principalmente da região Sul e do Sertão. Vimos que a região Sul precisa de uma atenção maior para o seu desenvolvimento econômico e por isso começamos nosso mandato lutando pela melhoria das estradas para que cresça a economia e também diminuam os acidentes e mortes que acontecem em todos os pontos da região Sul e Centro-Sul. É notório o meu envolvimento com a saúde, inclusive presido a Comissão de Saúde, Higiene, Assistência e Previdência Social, da Assembleia Legislativa de Sergipe. O Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) hoje se encontra em uma situação complicada de superlotação, por isso que precisamos fortalecer os regionais do nosso Estado; estamos começando com o Hospital Regional de Nossa Senhora da Glória, que hoje recebe todas as demandas do Médio e Alto Sertão. Portanto, estou em constante contato com o secretário estadual da pasta para que possamos encontrar alternativas, junto à comissão, que solucionem essa problemática e o Huse possa ser desafogado.

JC - A senhora pensa em alçar novos voos? Quais?
JM - Como este é o meu primeiro mandato, estou com foco total nele no momento. Estamos fechando os primeiros cem dias de muito trabalho à frente das comissões, na criação e aprovação de projetos. Além disso, estamos constantemente ouvindo as solicitações da população. Então, esse é meu principal foco, no agora e certamente para o futuro.

JC - Como a senhora vê o governo de Belivaldo Chagas (PSD)? Há pontos positivos? E os negativos?
JM - É notório que o nosso Estado passa por uma forte crise financeira, mas vejo em Belivaldo um homem de muita garra e força. Não houve uma vez em que ele tenha se recusado a me atender no seu gabinete para ouvir as demandas da população. É visível que ele tem lutado para tirar o Estado dessa crise, que todo o país está passando. O governador pode contar com meu apoio e tenho certeza que ele tem o apoio do povo.

JC - Pretende disputar a Prefeitura de Itabaianinha, por quê?
JM - Como já venho dizendo, acho que temos que pensar no presente, precisamos cumprir o compromisso assumido durante a campanha e debater novas pautas e demandas que nosso Estado precisa. Itabaianinha foi uma cidade que me acolheu e me sinto filha da terra, confiou em mim como vice-prefeita em 2016 e renovou meu contrato em 2018 como deputada estadual. Por isso estou focada em trabalhar na melhoria desse povo guerreiro, nosso mandato é novo e o foco agora é levar soluções de saúde, desenvolvimento e segurança para Itabaianinha. Exemplo disso, foi a indicação que fizemos da implantação da sede do Grupo de Ações Táticas do Interior (Gati) em Itabaianinha, para atender o Sul e Centro-Sul de Sergipe e as indicações de ampliação e melhoria das estradas da região Sul, além de outras pautas que colocaremos em plenário e comissões, futuramente.

JC - Como avalia o projeto de reforma da Previdência do Governo Federal? Acha que deve ser vinculado com o Estado?
JM - Acredito que nosso país e Estado precisam de uma reforma no setor previdenciário com urgência, mas também não podemos achar que lidar com o futuro das pessoas seja tão simples e banal. Precisamos que os textos da reforma sejam revistos e readequados para as necessidades das camadas mais vulneráveis da sociedade, principalmente o homem e a mulher do campo.

JC - A senhora acha que Belivaldo deve apoiar o projeto da reforma de Jair Bolsonaro? Por quê?
JM - Belivaldo já se mostrou favorável a aprovar a reforma da Previdência, mas, como disse, o texto precisa ser revisto para que as classes mais vulneráveis não sejam prejudicadas.

JC - A crise econômica do país tem reflexo forte em Sergipe, quais são?
JM - Na minha visão, a Saúde e a Segurança Pública estão sendo os setores mais atingidos por esta crise, além da queda nas ofertas de emprego. Também não podemos esquecer das instituições de ensino estaduais e federais, que estão sendo diretamente afetadas com os cortes no orçamento. É preciso encontrar alternativas para enfrentarmos com sabedoria a crise que já vem se arrastando há anos.

JC - Como a crise atinge duramente as empresas?
JM - Enquanto empresária, acompanho de perto como está sendo difícil tanto para quem gera emprego, quanto para quem precisa de emprego. Soluções estão sendo debatidas junto com o governador e órgãos federados para tentarmos encontrar caminhos que nos levem à reativação dos setores da economia de Sergipe. Sobre o assunto, apresentamos indicação sugerindo ao governador do Estado que dê algum incentivo fiscal às empresas que aumentarem seu quadro pessoal de 2% a 3%. Essa é apenas uma das alternativas que podem auxiliar o setor empresarial a continuar gerando emprego e renda.

Por Mayusane Matsunae/Equipe JC