25/05/2019 as 00:56

ENTREVISTA – SÉRGIO REIS

Vice-presidente estadual do MDB em Sergipe

‘Conseguiremos reverter qualquer possível saída da sigla’


Vice-presidente estadual do MDB em SergipeDivulgação

Em Aracaju, o MDB já bateu o martelo: vai apoiar a reeleição de Edvaldo Nogueira. Em Lagarto, o partido pode apostar no deputado Fábio Reis para disputar o comando do município. Quem confirma é o ex-deputado federal Sérgio Reis, que no fim do mês deve assumir o posto de vice-presidente estadual do MDB. Nesta conversa com o JORNAL DA CIDADE, ele falou sobre o planejamento que a nova direção já está elaborando, de olho nas eleições municipais do próximo ano. Entre outras coisas, Sérgio diz que uma candidatura de Jackson Barreto à Câmara Federal, em 2022, seria muito importante para a agremiação. Confira a seguir a entrevista.

 

MAX AUGUSTO

Da Equipe JC


JORNAL DA CIDADE - Qual a situação política e administrativa do MDB encontrada pela atual direção?

SÉRGIO REIS - Ainda estamos em fase de transição administrativa. Mas temos convicção tranquila de que as finanças do partido são bem administradas, dentro da realidade financeira e de acordo com a capacidade de gastos. O que queremos agora é pensar no futuro do MDB, com medidas de modernidade, compliance e governança, colocando em prática políticas e diretrizes que preparem o partido para a nova realidade social e política por que passa o país.


JC - O MDB já pensa seu planejamento para a eleição de 2020?

SR - Iremos pensar sim, a partir da chegada do deputado federal Fábio Reis à presidência do MDB. Vamos conversar com todos os diretórios municipais, ouvir suas dificuldades, planos, para estabelecermos as metas e estratégias. Além de discutirmos, junto com os filiados, a chegada de novos nomes. Além disso, iremos preparar um programa de formação política, com seminários que tratarão de políticas públicas, programas de governo, mudanças na legislação eleitoral e estratégias de comunicação para as campanhas, sempre buscando as ferramentas mais atuais e que terão maior impacto no pleito de outubro do próximo ano.


JC - O MDB já bateu o martelo pelo apoio à reeleição de Edvaldo Nogueira? Como estão essas conversas?

SR - Já batemos o martelo em relação à capital. O presidente Fábio Reis transferiu todas as negociações políticas ao ex-governador Jackson Barreto, que já declarou o apoio do partido à reeleição de Edvaldo Nogueira, fortalecendo o projeto de todo o agrupamento governista.


JC - E no interior do Estado? O MDB vai anunciar novas filiações? Quem são os nomes que disputarão mandatos pelo partido em 2020?

SR - Com certeza. Como falei anteriormente, vamos reforçar o fortalecimento dos diretórios municipais e junto com seus filiados discutir a chegada de novos, mas sempre em harmonia e buscando o respeito às diferenças políticas locais. Temos 14 prefeitos, seis vice-prefeitos e 72 vereadores, sendo que nossa meta é, pelo menos, aumentar em 20% esses números. Em cidades como Lagarto, Itabaiana, Estância, Barra dos Coqueiros, São Cristóvão, Tobias Barreto e Nossa Senhora da Glória, entre outras com maior densidade eleitoral, o MDB terá candidatos a prefeito.


JC - Os deputados Garibaldi e Zezinho vão mesmo deixar o MDB? A direção da sigla tem mantido contatos com eles?

SR - Por enquanto, o que temos acompanhado é a cobertura da imprensa. No momento certo o presidente Fábio Reis terá uma conversa com ambos. Acredito que a forma conciliadora de Fábio, junto com esse novo momento que será colocado em prática no partido, conseguiremos reverter qualquer possível saída da sigla. Vale ressaltar que nós estamos em contato com dois novos deputados estaduais que já disseram ter interesse em ingressar no partido. Com isso podemos chegar a cinco parlamentares na Casa.


JC - Mesmo após deixar a Presidência da República e ter sua bancada reduzida, o MDB será um partido importante na eleição do próximo ano em Sergipe? Conta com bom tempo de TV e fundo partidário?

SR - Sim. Tivemos um ano eleitoral bastante comprometido. O presidente Michel Temer carregou consigo uma alta impopularidade devido a vários fatores. Mas por manter uma boa relação com o Congresso Nacional, ainda conseguiu aprovar pautas importantes, como a reforma tributária e a PEC do Teto dos Gastos. No entanto, outros problemas sufocaram as boas pautas e isso se refletiu no desempenho eleitoral da sigla, que reduziu o número da sua bancada. Apesar disso, o MDB permanece sendo um partido protagonista das grandes decisões legislativas do país, participando ativamente das comissões, relatorias e nos plenários da Câmara e do Senado. 

JC - A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira, 22, a admissibilidade da reforma tributária proposta pelo deputado Baleia Rossi, do MDB de São Paulo. Qual sua percepção da importância desse tema?

SR - Essencial para o Brasil. Além de um amigo, Baleia Rossi é um excelente parlamentar e soube muito bem comandar toda a tramitação da proposta na CCJ, tanto que foi aprovada com apenas com um voto contrário, do Psol. Essa reforma propõe substituir cinco tributos atuais – PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS – por um único imposto do tipo IVA, que incide sobre o valor agregado de bens e serviços. O nome desse imposto seria IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), que passará a ser cobrado em todas as etapas de produção e comercialização, mas não onerará exportações e investimentos, pois gerará crédito. Vale destacar que a receita desse imposto será compartilhada entre União, estados e municípios e gerida através de um comitê com a participação de todos os entes federativos. Precisamos diminuir a quantidade absurda de impostos e a alta carga tributária que pesa sobre o brasileiro.


JC - Em Itabaiana, quem será o candidato de Luciano Bispo e do MDB?

SR - Essa é uma decisão que caberá ao deputado Luciano Bispo e seu agrupamento no município. Seja qual for a decisão, o MDB estadual estará dando total apoio. Itabaiana é uma cidade importante e estratégica dentro dos planos do MDB.


JC - Em Lagarto, Fábio Reis será candidato à prefeitura? Teremos mais um embate entre Saramandaia e Bole-Bole?

SR - Temos pesquisas de consumo interno que mostram o excelente desempenho do nome de Fábio Reis para a Prefeitura de Lagarto. O município enfrenta sua maior crise política e moral e os lagartenses sabem que não é momento para manter as mesmas pessoas que afundaram o município nessa crise no poder. Nesse cenário, o deputado Fábio Reis surge como uma esperança para os lagartenses, principalmente por seu histórico limpo e comprometimento com o município, que já recebeu milhões de reais em investimentos graças a emendas parlamentares de suas autorias. Portanto, não podemos descartar a candidatura de Fábio Reis em 2020. 

JC - Como o MDB visualiza a eleição de 2022? Jackson Barreto pode ser candidato a federal? Isso está sendo discutido?

SR - Estamos focados em 2020, que é logo ali, daqui a 15 meses. Cada desafio ao seu tempo. As peças do xadrez de 2022 dependem da configuração e resultados do partido em 2020. O que queremos é manter o MDB como protagonista das grandes decisões políticas e administrativas de Sergipe. Já contribuímos muito com o desenvolvimento do Estado e queremos fazer ainda mais, com o mesmo compromisso e responsabilidade que são as marcas do nosso partido em Sergipe. Agora, com relação a uma candidatura de Jackson à Câmara será de grande importância para o fortalecimento do partido, uma vez que irá atrair outras pessoas que queiram se candidatar. Como não haverá mais coligação proporcional, é preciso que a legenda apresente um bom número de candidatos para eleger seus filiados.