11/06/2019 as 18:20

CÂMARA DE ARACAJU

Fábio Meireles defende políticas públicas para a juventude

Vereador também destacou a importância da família


Após citar dados do Atlas da Violência 2019, o vereador Fábio Meireles defendeu a implementação de políticas públicas que garantam, sobretudo, capacitação e geração de emprego e renda para os jovens. “A inserção no mercado de trabalho é um importante elemento para que esse jovem não se envolva no mundo das drogas e do crime”, afirmou o parlamentar.

A preocupação de Fábio se baseia nos números divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), segundo os quais dos 1.313 assassinatos registrados em Sergipe, 767 foram de jovens com idade entre 15 e 29 anos. Dessas vítimas, apontam os dados, 728 eram do sexo masculino.

De acordo com as informações do Atlas, o total está acima da média nacional, levando Sergipe a um índice de 240,5 homicídios por grupo de 100 mil habitantes. O levantamento se baseou em dados do sistema de informações sobre mortalidade, do Ministério da Saúde.

Para Fábio, é preciso refletir sobre essa questão e chamar todos os atores envolvidos para pensar políticas que garantam a esses jovens a saída desse cenário de morte. “Muitas vezes, a droga é a vilã desse processo; a desestrutura familiar, também, contribui para isso, mas a falta do que fazer, é um elemento forte”, disse Fábio, ao citar um velho adágio, segundo o qual “cabeça vazia é oficina do diabo”.

Para ele, “se o jovem não tem o que fazer, não tem com o que se ocupar, com o que se preocupar, vai fazer besteira, vai se envolver com pessoas ruins e o resultado é sempre dramático”. No seu entender, todos precisam estar atentos a isso e, “como pais, não podemos delegar aos outros, a responsabilidade de educar os nossos filhos”.

Família é a base

Diversos parlamentares destacaram o pronunciamento de Fábio e ressaltaram a importância da família, consanguínea ou não, nesse processo educação e formação cidadã, com ensinamentos fincados em valores e princípios éticos e morais.

“Vivemos um tempo em que a demonstração de afeto é vista como motivo de vergonha”, afirmou Emília Correia. “É preciso garantir a consolidação da família, que é a base para esses jovens. Infelizmente, ela está sendo destruída por falta de valores”, completou Armando Batalha Júnior.

Lucas Aribé parabenizou Fábio por apresentar tão importante temática e pediu ao orador para subscrever todo o discurso. “Tenho saudade do tempo em que os filhos tomam a benção de pai e mãe. Isso é muito significativo”, pontuou o vereador que sugeriu a participação das escolas nessa discussão.

O vereador Cabo Didi lembrou que, hoje, as famílias não dependem mais de consanguinidade para construir grandes laços.

Foto: Gilton Rosas