11/06/2018 as 15:05

Saúde

Atividade física moderada durante a gestação também pode contribuir para o parto

Fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico diminuem a incidência de incontinência urinária.


Atividade física moderada durante a gestação também pode contribuir para o partoFoto: Divulgação

O período gestacional promove diversas mudanças e adaptações fisiológicas na mulher, exigindo maior atenção e cuidados especiais para uma gravidez saudável. Como consequência das alterações físicas e psicológicas, muitas gestantes podem sentir desconfortos nesse período. Para proporcionar melhor qualidade de vida para a mãe e para o bebê, os exercícios físicos podem ser um bom aliado.

Durante a gravidez, exercícios físicos de alta intensidade devem ser evitados, assim como os praticados com a mulher deitada. Segundo o mestre em Educação Física, Daniel Barsottini, criador do projeto Além das Curvas (aliando a prática esportiva ao tratamento psicológico e nutricional), o indicado é que os exercícios para gestantes tenham intensidade leve ou moderada e que envolvam grandes grupos musculares e ritmo contínuo. A prática deve ocorrer cerca de três vezes por semana, de 30 a 60 minutos.

Daniel Barsottini também nos contou sobre os benefícios da atividade física sobre a área emocional da mulher. Duas hipóteses buscam explicar os benefícios dos exercícios físicos sobre a área emocional. A primeira aponta que os exercícios físicos conseguem agir psicologicamente, quebrando a espiral depressiva, por meio da substituição de sentimentos e pensamentos negativos por positivos. “Há um consenso em diversas pesquisas científicas de que o exercício físico praticado de maneira regular e contínua, realizada com uma intensidade leve a moderada, desde que não haja contraindicações a sua prática, proporciona diversos benefícios”, disse. Confira mais detalhes na entrevista a seguir.

REVISTA DA CIDADE – De que forma é possível melhorar a saúde da mulher como um todo, no sentido de pensar sua alimentação, a rotina e a prática de atividade física?

DANIEL BARSOTINI - Para a equipe Além Das Curvas, a saúde, o bem-estar e a beleza feminina estão vinculados a diferentes aspectos relacionados ao respeito com que a mulher trata a si mesma. Acreditamos que a superação de suas limitações fisiológicas e psicológicas são a melhor forma de mudar a visão da mulher sobre o conceito preconcebido de “corpo ideal” e de “saúde”.

O que oferecemos a nossas alunas é um novo estilo de orientação profissional. Trabalhamos com uma rede de informações multidisciplinar, mostrando e comprovando os comportamentos diários são responsáveis pelas características fisiológicas.

RC – Para as mulheres gestantes, é recomendado que tipo de exercício? É verdade que a grávida ativa pode continuar com os mesmos exercícios de antes da gravidez?

DB - Há um consenso em diversas pesquisas científicas de que o exercício físico praticado de maneira regular e contínua, realizado com intensidade leve a moderada, desde que não existam contraindicações a sua prática devido a restrições ou complicações, proporciona diversos benefícios durante a gravidez. Entre os exercícios indicados estão a musculação, o treinamento funcional, o pilates, o alongamento, a hidroginástica, a caminhada, a bicicleta ergométrica e/ou atividades recreativas.

Além da possibilidade de contribuir para o parto, o exercício físico, durante a gestação, pode proporcionar outras vantagens, como exemplo: prevenção contra o parto prematuro, aumento do índice do líquido amniótico e a redução do edema em gestantes, prevenção de doenças associadas à gravidez, tais como hipertensão arterial sistêmica, diabetes gestacional e pré-eclâmpsia, além da diminuição do cansaço e inchaço dos membros, entre outras particularidades.

A atividade física moderada na gestação também pode contribuir no controle do ganho de peso, melhora da capacidade funcional e diminuição da intensidade da dor na região lombar, além do fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico, que na gestação é de extrema importância pois diminui a incidência de incontinência urinária, durante e após o parto.

Além disso, as gestantes devem evitar exercícios na posição deitada por dificultar o retorno venoso, evitar prender a respiração enquanto se exercitam, evitar atividades de contato ou onde se tenha o risco de quedas, lutas e ciclismo, por exemplo. Hidratar-se sempre para evitar a elevação da temperatura corporal.

RC – Como os exercícios podem ajudar para que a gestante tenha menos problemas possíveis durante os 9 meses? Também é possível preparar a gestante para que fique forte para o parto, sendo ele normal ou cesáreo?

DB - Manter-se ativa durante os mais de 9 meses de gestação promove maior disposição, menos inchaço e enjoos, menos dores nas costas e nas articulações e previne doenças como o diabetes gestacional e a hipertensão arterial que pode levar a um quadro de pré-eclâmpsia. Isso tudo sem contar os benefícios para a hora do parto, onde a mulher que se exercita terá um melhor preparo muscular e cardiovascular, além de uma rápida recuperação no pós-parto.

RC – Com relação à ansiedade e depressão nas mulheres, como o exercício pode atuar no organismo? Basta qualquer atividade física ou tem que buscar algo de médio e alto rendimento para poder sentir a liberação da serotonina?

DB - Segundo os dados da OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo com maior prevalência nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos, que têm 5,9% de depressivos. Já quando se fala em ansiedade, o País é o recordista mundial, com 9,3% da população sofrendo com transtornos de ansiedade.

O aumento da produção de três neurotransmissores (serotonina, dopamina e norepinefrina) pode explicar o efeito antidepressivo do exercício. Além disso, os exercícios liberam endorfinas, substâncias produzidas no organismo que possuem qualidades capazes de reduzir a dor e produzir um estado de euforia.

Diversas atividades físicas podem ajudar na luta contra a ansiedade e a depressão, inclusive algumas de baixa intensidade. Para combater a ansiedade podemos indicar a caminhada, por exemplo, e a yoga, que possui efeitos antidepressivos e ansiolíticos muito significativos.

Já na luta contra a depressão os exercícios aeróbicos moderados são os mais recomendados, um bom exemplo é a corrida. Outros bons aliados podem ser o crossfit e a musculação, que além de estimular os receptores hormonais também estimula a produção de diferentes hormônios, os quais estão direta ou indiretamente associados com os níveis de humor. Entre eles, podemos destacar a dopamina, a adrenalina e a noradrenalina.

Por Lara Aguiar da Equipe JC/Revista da Cidade