06/08/2018 as 14:04

Saúde

SES reúne municípios para organizar logística e distribuição de testes rápidos

encontro ocorreu no auditório do Centro Administrativo da Saúde Senador Gilvan Rocha.


SES reúne municípios para organizar logística e distribuição de testes rápidosFoto: Flávia Pacheco

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da coordenadoria de Vigilância Epidemiológica, reuniu nesta segunda-feira, 6, os municípios das Regiões de Saúde de Aracaju, Nossa Senhora do Socorro e Estância, com o objetivo de estabelecer normas organizativas para a logística e distribuição dos kits de testes rápidos para hepatites e IST/AIDS. O encontro ocorreu no auditório do Centro Administrativo da Saúde Senador Gilvan Rocha. Na última sexta-feira, 3, o diálogo aconteceu com as regionais de Propriá, Lagarto, Nossa Senhora da Glória e Itabaiana.

A reunião foi direcionada para os responsáveis técnicos pela logística dos testes rápidos nos municípios, coordenadores de Atenção Básica e de Vigilância Epidemiológica, que aprofundaram a discussão sobre como solicitar testes rápidos e executar a logística que obedece a um cronograma, via sistema, que começa na Unidade Básica de Saúde (UBS) e termina no Ministério da Saúde, segundo informou a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da SES, Mércia Feitosa.

“Em relação à logística dos testes, a gente detectou dificuldades de alimentação do sistema de informação e preenchimento do mapa e quando isso não é feito de forma correta pode afetar a aquisição dos kits de testes, ou seja, poderemos receber um volume inferior à real necessidade”, explicou a coordenadora, acrescentando que também abordou com os municípios um outro ponto da pauta que são as mobilizações extramuros.

Segundo Mércia Feitosa, a SES detectou, também, falhas na mobilização da comunidade por parte de alguns municípios. “É preciso estabelecer vínculos com os usuários que possam apresentar reagentes para as infecções sexualmente transmissíveis e as hepatites. O processo deve começar na realização do teste, passar pela revelação diagnóstica e, caso seja reagente, seja inserido no sistema especializado para iniciar o tratamento”, observou a coordenadora, informando que Sergipe tem sofrido perdas neste sentido porque pacientes recebem o diagnóstico positivo e não buscam o serviço de saúde para tratamento.

Para a gerente do Centro de Testagem e Aconselhamento do município de Lagarto, Rose Clea Silva de Menezes, a reunião foi muito produtiva. “Encontros como este são muito importantes porque a gente tem a oportunidade de atualizar os conhecimentos, de obter maior clareza sobre o sistema”, disse, explicando que o seu município trabalha o vínculo com o paciente regularmente.

“No Centro de Testagem, trabalhamos com o público em geral, ou seja, do morador da cidade à pessoa que está de passagem. Quando há o indicativo de alguma infecção sexualmente transmissível ou hepatite, fazemos os encaminhamos adequado, seja para o infectologista ou para o Hospital Universitário, no caso das hepatites”, comentou.

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica de Itabaianinha, Cristiane Izabel Costa Hora, considerou a reunião primordial. “Sempre há mudanças de coordenação e é importante fazer a reciclagem para os antigos gestores das áreas porque o sistema é um pouquinho complicado para quem está chegando agora. Quanto á vinculação do paciente, ela garantiu que em seu município o usuário que tenha confirmado diagnóstico de sífilis já sai da unidade com a medicação e, no caso de HIV, é encaminhado para o Centro de Especialidades Médicas de Aracaju”, revela.