29/08/2018 as 14:31

Saúde

Cigarro mata cerca de 6 milhões de pessoas por ano

Em Sergipe, no ano de 2017, mais de duas mil pessoas foram vítimas de AVC, que pode estar ligado ao vício em cigarro.


Cigarro mata cerca de 6 milhões de pessoas por anoFoto: Rafael Neddermeyer/Fotos públicas

Nesta quarta-feira, 29 de agosto, é comemorado, no Brasil, o Dia Nacional de Combate ao Fumo, data que foi criada com o objetivo de conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do uso do cigarro.

 

Das doenças ligadas ao vício, a mais lembrada é o câncer, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 30% dos cânceres estão relacionados ao hábito de fumar. A OMS alerta também que o cigarro, que contém cerca de 4.720 substâncias tóxicas, das quais pelo menos 70 são cancerígenas, mata cerca de 6 milhões de pessoas anualmente. Segundo projeção da OMS, em 2020 o número de mortes pode ser de 7,5 milhões.

 

O vício em cigarro é considerado um fator de risco também para infarto agudo do miocárdio (IAM) e acidente vascular cerebral (AVC). Em Sergipe, conforme dados do Departamento de Informática do SUS (Datasus) para pessoas maiores de 20 anos, de 2008 a 2017 morreram, em hospitais, 402 homens e 383 mulheres em decorrência de IAM. Já para AVC, no mesmo período, chegaram a óbito 1.335 homens e 1.414 mulheres.

 

Apesar das campanhas, muitas pessoas começam a fumar ainda jovens, como a dona de casa Morgana Mendes, que adquiriu o hábito ainda na adolescência, “Comecei a fumar com 16 anos, mas era só quando ia pra baladas, com 17 eu já estava viciada e não conseguia mais ficar sem, principalmente depois das refeições e quando estava nervosa com algo”, relatou.

 

Atualmente com 23 anos, Morgana ainda não conseguiu parar de fumar, “Já tentei inúmeras vezes, mas é algo surreal, muito difícil. Eu chorava com vontade de não querer fumar, mas aí a raiva só multiplicava e eu acabava fumando. Eu só consegui parar mesmo na minha gravidez, mas quando minha filha estava com 4 meses e não mamava mais eu voltei por conta de problemas pessoais que me deixavam muito nervosa, e só o que me acalmava era o cigarro”.

 

Os sergipanos que desejam parar de fumar possuem apoio da saúde pública, durante o ano todo a Secretaria de Estado de Sergipe (SES) distribui nos municípios do Estado materiais enviados pelo Ministério da Saúde (MS), que orienta sobre o tema “Tabaco e Doenças Cardíacas”, apresentando conteúdos a serem trabalhados nos grupos de Saúde da Família, em escolas e entidades não governamentais. Dos 75 municípios sergipanos, 51 ofertam tratamento para os fumantes.

 

Em Aracaju, um levantamento feito pelo MS apontou queda de 48% no percentual de fumantes passivos no local de trabalho nos últimos nove anos. O percentual de fumantes passivos nesse ambiente passou de 12,3% em 2009, para 6,4% em 2017. O estudo verificou também redução na frequência entre os fumantes passivos no domicilio.

 

Na capital, para auxiliar quem deseja superar o vício, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) já realiza o Programa Nacional de Controle de Tabagismo do Ministério da Saúde, desenvolvido pelo Centro de Especialidades Médicas de Aracaju (Cemar) Augusto Franco. No tratamento, são formados grupos de apoio, onde os pacientes podem conversar sobre suas histórias de vida e trocar experiências que os aproximem.

 

Por iniciativa própria, o fotógrafo Victor Hugo, de 24 anos, superou o vício, ele foi fumante por quatro anos, “Começa sempre com um “vou fumar apenas nas saídas do final de semana”, quando você se dá conta, está fumando todo dia”, afirmou.

 

Segundo o fotógrafo, o processo foi feito de forma gradual, “O processo foi bem difícil. Primeiro substituí o cigarro industrializado por tabaco de enrolar, no intuito de fumar menos, e funcionou. Depois comecei a sair com os cigarros já prontos, coisa de 3 cigarros para passar a noite inteira. Aos poucos fui parando. Algumas pessoas que andavam comigo também estavam no processo, e aí começou a facilitar mais. Apesar das tentações diárias, consegui largar o tabaco há quase 5 meses, depois de várias idas e vindas”.

 

Quem deseja parar de fuma e acredita que um acompanhamento pode ajudar, pode ir até o Cemar Augusto Franco, das 14h às 17h, de segunda à sexta-feira, fazer sua inscrição gratuita no Programa de Tabagismo, basta levar seu Cartão SUS e Documento de Identificação.