30/08/2018 as 13:54

Saúde

Prefeitura tem até a segunda-feira para responder sobre negociação com os médicos

Uma audiência de conciliação foi realizada na sede do Tribunal de Justiça de Sergipe.


Prefeitura tem até a segunda-feira para responder sobre negociação com os médicosFoto: Sindimed/Divulgação

Na manhã desta quinta-feira (30), representantes do Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed) e da Prefeitura de Aracaju se reuniram em audiência de conciliação com o desembargador Diógenes Barreto na sede do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE), para discutir sobre a greve dos médicos na capital.

Inicialmente, foi formulada a proposta pelo sindicato de concessão de reajuste linear de 2,94% a partir de outubro deste ano, e a tabela única a partir de 2019. Diante disso, o desembargador relator Diógenes Barreto ressaltou a necessidade de suspensão da sessão, e propôs que fosse estabelecida uma negociação, com definição de um calendário de reuniões, devendo o prefeito Edvaldo Nogueira ser ouvido para que, ao final, fosse comunicado se há a possibilidade de acontecer a negociação.

Assim, foi dado o prazo até a próxima segunda-feira (3), para que a Prefeitura se reporte à Justiça respondendo se quer ou não negociar com os médicos.

De acordo com o presidente do Sindimed, a categoria já mostrou que está com vontade de negociar, dando à PMA várias possibilidades de acordo através das propostas alternativas para implementar no ano que vem. “Reduzimos e muito o percentual de reajuste proposto inicialmente – que era o piso da categoria médica, sair de R$ 4.000,00 (que é o salário hoje) para R$12.000,00 (piso) – que era um aumento significativo para apenas a inflação do ano, que é de 2,94%, entre outros, como a Tabela Única para os médicos, mostrando assim ao desembargador e a Prefeitura de Aracaju que estamos abertos a negociar”, pontuou, ressaltando que deixou claro que os médicos não querem que o resultado final por parte da PMA seja zero. “Que fique bem claro tanto para a Justiça, quanto para a PMA, que o objetivo do Sindicato é evitar greves futuras em 2019, 2020, que infelizmente se faz necessária para obter ganhos, mas a categoria já não aguenta mais”.

“Diante desse cenário, o procurador-geral, Netônio Machado, se prontificou a conversar com o prefeito para que seja decidido sobre a possibilidade de abertura das negociações, nos termos citados”, informou a secretária da Saúde de Aracaju, Waneska Barboza.

Até a resposta da Prefeitura, os médicos continuam em greve.