31/08/2018 as 09:02

HIV/Aids

Aids: Sergipe tem o 8º maior índice de detecção

De 2000 a 2017, mais de 800 casos de grávidas com HIV foram registrados.


Aids: Sergipe tem o 8º maior índice de detecçãoFoto: Jadilson Simões/Equipe JC

Sergipe tem o 8º maior índice de detecção de Aids entre os 27 Estados brasileiros, ficando atrás de Roraima, Amazonas, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Maranhão e Amapá. O dado é do Boletim Epidemiológico HIV/Aids do Ministério da Saúde. Ainda segundo os dados, de 2000 a 2017, 825 gestantes foram infectadas pelo HIV. Entre os menores de cinco anos, foram 98 casos de Aids entre 1980 e 2017.


De acordo com o médico e coordenador do Programa Estadual IST/Aids da Secretaria de Estado da Saúde, Almir Santana, os dados mostram que Sergipe ocupa esse lugar pois o Estado realiza muitos exames e quanto mais faz exames mais se detecta casos. “Estamos trabalhando muito a prevenção em todas as áreas, em populações específicas, em profissionais do sexo, em escolas, temos capacitado professores, temos feito muitos trabalhos para divulgar e incentivar a prevenção”, explicou.


Infelizmente, todo trabalho da SES não surtirá efeito caso as pessoas não se conscientizem. Segundo Almir Santana, é preciso cada vez mais lembrar as pessoas sobre a importância da responsabilidade na relação sexual e a mudança de atitude. De acordo com o médico, as pessoas estão banalizando muito as doenças sexualmente transmissíveis, principalmente a Aids.


“As pessoas não estão vendo mais ninguém morrer por conta da doença, têm ouvido as boas notícias sobre o uso do coquetel etc. Mas é bom lembrar que a Aids não tem cura, que os remédios têm efeitos colaterais, mas não é assim que se deve pensar, deve-se pensar na prevenção, em não ter que precisar de nada disso. O mais importante ainda é se prevenir e evitar a relação sem uso da camisinha”, reforça Almir Santana.

Mais dados
De 2007 até junho de 2017, foram notificados 194.217 casos de infecção pelo HIV no Brasil, sendo 96.439 (49,7%) na região Sudeste, 40.275 (20,7%) na região Sul, 30.297 (15,6%) na região Nordeste, 14.275 (7,4%) na região Norte e 12.931 (6,7%) na região Centro-Oeste. Nesse período, foi notificado um total de 131.969 (67,9%) casos em homens e 62.198 (32,1%) casos em mulheres.


No que se refere às faixas etárias, observou-se que a maioria dos casos de infecção pelo HIV encontra-se nas faixas de 20 a 34 anos, com percentual de 52,5% dos casos. Com relação a raça/cor da pele autodeclarada, observa-se que, entre os casos registrados, 47,6% são entre brancos e 51,5% entre pretos e pardos. No sexo masculino, 49,6% dos casos estão entre brancos e 49,4% entre pretos e pardos; entre as mulheres, 43,2% dos casos são entre brancas e 55,9% entre pretas e pardas.

Grecy Andrade/Equipe JC