05/09/2018 as 14:34

Saúde

Central de Transplantes de Sergipe lança campanha ‘Seja você também um herói’

Sergipe realiza, dentre outros, o transplante de córnea e, atualmente, 194 pacientes aguardam a doação.


Central de Transplantes de Sergipe lança campanha ‘Seja você também um herói’Coordenador da Central de Transplantes, Benito Oliveira Fernandez/ Foto: Flávia Pacheco

O mês é setembro, a cor é verde, a palavra é doação e o resultado é vida. O setembro verde vem, mais uma vez, para sensibilizar e conscientizar a população sobre a importância do ato de doar órgãos e tecidos. Pensando nisso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Central de Transplantes de Sergipe, lança a campanha ‘Seja você também um herói’ com ações em comemoração ao Dia Nacional da Doação de Órgão, a ser celebrado no próximo dia 27. Sergipe realiza, dentre outros, o transplante de córnea e, atualmente, 194 pacientes aguardam uma córnea que pode ser retirada do doador até seis horas da parada cardiorrespiratória, mas que depende e precisa da autorização dos familiares.

O Brasil possui o maior sistema público de transplante do mundo e 96% dos transplantes são financiados e realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o coordenador da Central de Transplantes em Sergipe, Benito Oliveira Fernandez, o SUS que paga a captação de órgãos e tecidos e disponibiliza para os planos de saúde.

“Nem todo plano de saúde paga transplante. Hoje, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) participa nas questões de transplante renal e de córneas. Transplante hepático, de intestino, de pâncreas, de coração, só o SUS paga. Então é importante que a sociedade tome conhecimento disso. Podemos ter o melhor profissional, a melhor instituição de plano de saúde, mas se não tivermos a mola propulsora do transplante que é o doador, nada poderá ser feito. Infelizmente nós não fabricamos órgãos ainda, a gente espera que um dia consigamos isso, então o transplante depende do doador e da autorização da família para essa doação”, diz Benito.

Há dois tipos de doador falecido, aquele com o coração parado que não doa órgãos, mas pode doar as córneas até seis horas depois da parada cardíaca e o paciente falecido com o coração batendo que tem morte encefálica diagnosticada pelo profissional de saúde, que está onde há o suporte avançado de vida, na UTI, na sala de recuperação pós-anestésico, com um respirador artificial para manter o coração batendo. Depois que a família autoriza a doação são necessárias 24 horas para a realização de exames específicos e disponibilização do órgão.

“O coração, por exemplo, tem 4 horas entre a retirada e o implante então, enquanto estamos agilizando a retirada já está sendo localizado o potencial receptor. Ele precisa estar no hospital, no centro cirúrgico, porque enquanto tira um órgão ele já tem que estar preparado para receber. A família do doador precisa participar desse processo, precisa ser bem acolhida no hospital. A família que sente esse acolhimento tende a ser doadora mas, infelizmente aqui no estado de Sergipe temos um índice altíssimo de recusa familiar. O preconizado aceitável é de 40% e nós temos o índice de 74% de recusa familiar no estado e isso não significa que sergipano seja ruim, mas que a informação não chega até ele”, ressalta o coordenador.

DOAÇÃO

A Central de Transplante funciona no anexo do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) e o telefone para contato é (79) 3259-2899. “Nós temos lá o projeto Educar para Doar que faz palestras em escolas mostrando aos adolescentes como é o processo de doação de transplantes, para que a pessoa sabendo, se apropriando desse conhecimento, tome uma posição mais favorável à doação” comenta Fernandez.

O doador precisa informar sobre sua escolha, pois a lei nº 9434 de 1997 que trouxe a novidade no Brasil da doação presumida, quando eram colocados, nos documentos de identificação, a opção em ser ou não um doador de órgãos, não vale mais. “A sociedade não estava, e ainda não está, preparada para isso e o legislador voltou atrás e essa parte da lei não tem mais validade. Então, hoje, apenas o cônjuge ou parente até segundo grau podem autorizar a doação de órgãos”, informa Benito.

O processo de doação de órgãos para transplante precisa da participação de todos os seguimentos da sociedade. Nas redes sociais facebook e instagram, em ‘Central de Transplante em Sergipe’, há informações importantes para que as pessoas se apropriarem desse conhecimento.

“Estamos abertos a sugestões, e participem, leiam sobre o assunto. Trabalhamos o tema em empresas, igrejas, realizando palestras, então fazemos um apelo aos líderes religiosos que informem as pessoas da importância de ser doador porque a religião ajuda muito na tomada dessa decisão. A morte é um momento em que nos apegamos muito a Deus, precisamos de apoio, e Deus é amor, é solidariedade, e a doação é exatamente isso, amor e solidariedade. O doador anonimamente está ajudando a salvar vidas, ele está ajudando a melhorar a qualidade de vida de outras pessoas. O doador de órgãos é um verdadeiro herói” conclui o coordenador.

 











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.