10/09/2018 as 14:58

Saúde

Greve dos médicos: Justiça indefere pedido da PMA

Categoria está em greve há 53 dias.


Greve dos médicos: Justiça indefere pedido da PMAFoto: Divulgação

O Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE) indeferiu o pedido da Prefeitura de Aracaju para declarar a greve dos médicos como legal. De acordo com o relator do processo, o desembargador Diógenes Barreto, não houve abusividade da greve declarada pela categoria. Nesta segunda-feira (10), completou 53 dias de movimento paradista declarado em Aracaju.

O magistrado destacou em decisão que que “no que tange à necessidade do efetivo mínimo necessário para garantir a continuidade do serviço, observa-se que não houve interrupção dos serviços da rede de urgência e emergência (UPA’s), tendo 100% dos médicos permanecido trabalhando. […] Além disso, infere-se que foram mantidos os serviços médicos em 61% da atenção especializada (Cemar’s) e em 72% da rede básica”.

A Prefeitura de Aracaju entrou com pedido de ilegalidade da greve e que os médicos, em sua integralidade, voltassem ao trabalho, sendo em caso de descumprimento, que fosse aplicada multa diária de R$100 mil.

A categoria, por sua vez, pede o reajuste salarial e a Tabela Única dos Médicos, e afirma que o prefeito Edvaldo Nogueira não quer negociar.

SMS

Por meio de nota, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) divulgou o seu posicionamento:

"A secretária municipal da Saúde, Waneska Barboza, informa que a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), assim que for notificada oficialmente, sobre a decisão do desembargador Diógenes Barreto, tomará as providências legais necessárias.

A decisão judicial do desembargador relator, de não decretar a ilegalidade da greve, foi tomada com base na baixa adesão dos profissionais, uma vez que, de acordo com o que foi evidenciado na decisão, somente 28% dos médicos da Rede de Atenção Primária e 39% da Rede de Atenção Especializada aderiram ao movimento. Já na Rede de Urgência e Emergência, 100% dos profissionais estão trabalhando normalmente.

'Porém, entendemos que essa é uma atitude dos profissionais que não deveria estar sendo levada tanto tempo à frente, em virtude de que a Prefeitura já demonstrou de todas as formas de que não há condição financeira de dar reajustes à nenhuma categoria. Tudo que é possível está sendo feito, do ponto de vista da Prefeitura, para que possamos dar uma condição de saúde melhor para a população. Além disso, se concedêssemos o reajuste apenas aos médicos, iríamos de encontro à isonomia, o que não seria justo com as demais categorias', esclareceu a secretária."











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.