13/09/2018 as 08:40

Setembro amarelo

90% dos suicídios poderiam ser evitados

O Setembro Amarelo, como é conhecido o mês, busca fazer uma mobilização da sociedade sergipana para a conscientização e prevenção ao suicídio.


90% dos suicídios poderiam ser evitadosFoto: Divulgação

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 90% dos suicídios poderiam ser evitados. Por conta desse dado alarmante, o Conselho Regional de Psicologia de Sergipe (CRP/SE) tem feito desde o início do mês diversas atividades para alertar a população sobre o tema e informar os canais de busca de apoio. O Setembro Amarelo, como é conhecido o mês, busca fazer uma mobilização da sociedade sergipana para a conscientização e prevenção ao suicídio.


De acordo com Pedro Alves dos Santos Filho, psicólogo presidente da Comissão de Políticas Públicas do CRP/SE, não existe só um ator para o suicídio, é multifatorial, são várias as coisas que fazem a pessoa pensar nisso. Por isso, é preciso um olhar multidisciplinar para ajudar essas pessoas.


“Precisamos sensibilizar a população sobre a temática ao mesmo tempo que temos desenvolvido atividades para chamar atenção sobre situações como depressão e o suicídio. O suicídio é uma questão de saúde pública e as suas causas são multifatoriais. Por isso, mais importante que conscientizar a pessoa, é divulgar as redes de ajuda e as possibilidades de tratamento”, aponta.


O psicólogo pontua que é importante levar em consideração alguns sinais que podem indicar que uma pessoa está com depressão. Além de prejudicar o dia a dia e fazer a pessoa se isolar, a depressão pode causar também perda de apetite, dificuldade para realizar tarefas cotidianas, sentimento de impotência e culpa e, em casos mais graves, até mesmo pensamentos e tentativas de suicídio.


“Se a pessoa tiver uma tristeza permanente, uma apatia, algo que deixe de ser uma simples tristeza momentânea, poderá desencadear um transtorno de humor como a depressão e ela deve procurar ajuda o quanto antes. Cerca de 90% da incidência de suicídio tem a ver como algum tipo de transtorno mental e o mais comum é a depressão”, alertou.


Por fim, Pedro Alves coloca ainda que deve-se evitar julgamento quanto àquela pessoa que está precisando de ajuda e está realizando tratamento. “É preciso perder o preconceito ao tratamento de saúde mental e também a vergonha. Não buscar auxílio aumenta os riscos do suicídio”, frisou.


Pedro reforça que durante o mês de setembro serão realizadas diversas palestras. É possível acompanhar a programação através da página http://www.crp19.org.br. “O Conselho Regional está apoiando os psicólogos da capital e do interior durante este mês do Setembro Amarelo para que disseminem o tema. Estão sendo promovidas panfletagens, palestras, caminhadas, passeios ciclísticos, tudo isso para chamar atenção da sociedade”.