19/09/2018 as 08:56

Em oito anos

SE perde mais de 500 leitos hospitalares

Há cerca de quatro anos, quando houve a implantação do “Mais Médicos”, a quantidade de leitos era 50% menor do que o necessário para o Estado.


Cinco longos dias de tortura e agonia. Foi o que viveu a família do fotógrafo Jadilson Simões semana passada, em Aracaju, quando o pai, João Marcelino dos Santos, 67 anos de idade, foi vítima de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e precisou de uma vaga no leito da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O senhor foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento Hospital Fernando Franco, zona sul da capital, e com o quadro agravado necessitava ser encaminhado para a UTI, no entanto, sem vagas disponíveis, a transferência não foi possível.



                                             


Segundo Jadilson, filho do senhor João Marcelino, durante os cinco dias de espera por uma vaga na UTI do SUS, o pai contraiu pneumonia e outras complicações. “Toda hora a resposta era para termos paciência e esperar. Mas, eu voltava para casa e imaginava meu pai passando por todas aquelas dificuldades, deitado naquela cama, podendo pegar uma infecção e morrer. Não dava para ficar esperando. Foi quando acionei a Justiça, e somente assim eu consegui a transferência dele para uma vaga na UTI do Hospital de Urgência de Sergipe (SUS)”, conta o fotógrafo.

A mesma espera é vivenciada por outras pessoas que necessitam de vagas nos leitos dos hospitais que atendem pacientes do SUS em Sergipe. Atualmente, o Estado conta com somente 230 leitos, sendo 146 SUS e 84 não. Segundo uma pesquisa divulgada recentemente pelo Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde do Brasil (CNES), Sergipe teve uma redução de 561 leitos no período de 2010 a 2018. Os dados foram divulgados pelo Conselho Regional de Medicina de Sergipe (Cremese) essa semana.

A pesquisa revela que o número de leitos cirúrgicos caiu para 9 leitos, os clínicos para 113, obstetrícios 133, pediátricos 245. Outras especialidades tiveram redução de 74 leitos, hospital/DIA 13, o que totaliza 561 leitos a menos em Sergipe.


Há cerca de quatro anos, quando houve a implantação do “Mais Médicos”, a quantidade de leitos era 50% menor do que o necessário para o Estado. Essa informação foi passada pelo médico anestesiologista Dr. José Roberto Melara para a equipe do JORNAL DA CIDADE. Segundo ele, o estado tinha fechado, na época, cerca de 800 leitos. “Todos os estados brasileiros estão com leitos menores do que os necessários para a população, e da UTI é ainda bem menos. Nós sabemos que tem pacientes que ficam na área vermelha do Huse, necessitando de uma vaga na UTI, e não conseguem”, disse o médico.