02/04/2019 as 16:09

CRIANÇAS E IDOSOS

Atenção redobrada com a saúde no outono

Neste ano, a pediatria do Huse realizou 7.546 atendimentos. A maior parte relacionados às doenças respiratórias


Atenção redobrada com a saúde no outonoDivulgação

No último dia 20 de março, teve início o outono, estação onde as manhãs são quentes e as noites são frias e com grande incidência de chuva. Nesse período, a atenção deve ser redobrada quanto aos cuidados com as principais doenças dessa estação como a gripe, pneumonia, sinusite, rinite, bronquite e laringite, ocasionadas pela oscilação da temperatura e que atinge as vias respiratórias de qualquer pessoa, seja ela criança, adulto ou idoso.

No Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde, é comum, nesse período, a chegada de vários usuários com esses sintomas. Em 2018, do início e ao término do outono, entre 20 de março a 21 de junho, foram registrados 219 casos referentes às doenças comuns ao período. Com as temperaturas mais baixas, as pessoas tendem a buscar lugares fechados, onde há aglomerações e isso predispõe a disseminação por vírus e bactérias que entram no corpo, permitindo o contágio por meio de gotículas dispersas no ar e pelo contato com superfícies contaminadas.

Crianças e idosos devem manter atenção redobrada nessa época do ano. O clínico geral André Brandão faz um alerta sobre os cuidados que as pessoas devem ter nesse período. “Aqui no Huse chegam muitos casos de pessoas nessa faixa etária com diarreia ou doenças respiratórias, número que aumenta nesse período. É necessário que mantenham a hidratação com água e sucos ricos em vitamina C, lavar as frutas é essencial e evitar alimentos preparados de forma duvidosa. Outro quesito é evitar lugares com aglomeração de pessoas e lavar sempre as mãos. Tomando esses cuidados, já se evita muitas dessas doenças da estação”, explicou o médico.
 
Pediatria
 
No primeiro trimestre deste ano, entre janeiro e março, o Hospital Pediátrico do Huse realizou 7.546 atendimentos a pacientes infantis. Desse total, 760 ficaram internados para tratamento ou observação. A maior parte desses atendimentos está relacionada às doenças respiratórias que superlotam as unidades de saúde nesse período do ano. De acordo com a coordenadora da pediatria do Huse, Cristiane Barreto, as doenças respiratórias aumentam durante essa mudança de estação. 

A profissional faz um alerta aos pais. “Fazer o acompanhamento com um pediatra é prevenir que uma simples tosse vire uma pneumonia. Aos primeiros sintomas, os pais devem levar os pequenos a uma unidade de saúde mais próxima e acompanhar o tratamento. Estamos no outono e daqui a pouco vamos para o inverno que dobra o número de atendimentos na nossa pediatria”, explicou Cristiane Barreto.

A mãe da pequena A.B.M, 4, Marina Mendes, 23, sabe bem disso. “Ela sofre com essas viroses e doenças respiratórias. Todo ano é a mesma coisa, algumas consigo controlar com a medicação que ela já é acostumada a tomar e indicada pelo pediatra, outras, a crise complica e tenho que trazer para o hospital. Dessa vez ela teve febre e tossia muito, por isso me preocupei. Agora está bem hidratada com o soro e medicada corretamente”, finalizou Marina Mendes.